Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Jovem acusa agentes da PSP do Porto de lhe terem partido perna no Queimódromo

Sociedade

Um jovem de 21 anos acusou hoje agentes da PSP do Porto de lhe terem partido a perna direita, na sequência de um desacato à saída do Queimódromo, no Porto, estando a preparar a queixa

Em declarações à Lusa no Hospital Santo António, no Porto, para onde foi transferido após ter sido primeiro assistido no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, Rúben Soares explicou ter "partido a tíbia e o perónio" da perna direita em resultado da agressão.

Descrevendo o sucedido, Rúben Soares disse que a situação ocorreu "cerca das 06:00 quando a polícia fez um cordão para acompanhar a saída dos estudantes do Queimódromo" e que reagiu ao facto dos agentes da autoridade terem "adotado uma postura mais agressiva" em resposta a um grupo de jovens que resistia a "sair por onde a polícia queria".

"Dirigi-me então a um polícia que conheço perguntando-lhe se aquela agressividade fazia sentido", obtendo como resposta "dois socos na cara" e a "uma biqueirada" que lhe provocou "a fratura da perna", relatou.

No chão, Rúben Soares viu-se "rodeado por polícias" que "impediram" que fosse "ajudado" pelas outras pessoas que se aperceberam do incidente, adiantou.

"Deixaram passar duas ambulâncias do INEM e só me deixaram entrar na terceira", acusou ainda o jovem, que teve de ser "suturado com quatro pontos na face" e que pelas 20:30, quando falou à Lusa, aguardava "para ser operado à perna".

Segundo Rúben Soares, o incidente deu-se "ainda no interior do recinto onde está a decorrer a Queima das Fitas do Porto" e que as câmaras "filmaram a agressão", tendo revelado que o seu advogado, Elton Franco, "já pediu o acesso às imagens" para preparar a queixa.

Elton Franco disse que vai esperar que Rúben Soares tenha alta hospitalar e, acompanhado do relatório médico, "preparar a queixa".

A Lusa contactou o Comando Metropolitano da PSP do Porto que não fez comentários.

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal