Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Elementos que fazem da Terra um planeta habitável chegaram à boleia de mega-colisão

Sociedade

Caiaimage/Rana Dias/ Getty Images

Investigadores norte-americanos analisaram mil milhões de cenários diferentes antes de chegar à conclusão que foi uma colisão planetária, há 4,4 mil milhões de anos, a trazer para a Terra os elementos que permitiram o surgimento da vida. E a criar a Lua, de caminho

O carbono, nitrogénio e enxofre necessários à vida chegaram à Terra através do impacto de um planeta com o tamanho de Marte, coincidente no tempo com a formação da Lua. Foi a esta conclusão, agora pupublicada no Science Advances que chegou um grupo de investigadores norte-americanos, que fez milhões de simulações em computador.

Sabia-se que de alguma forma estes elementos voláteis tinham vindo de fora, uma vez que os planetas rochosos do sistema solar não têm estes ingredientes essenciais à vida. O que faltava era compreender o timing e o mecanismo dessa entrega, como explica Rajdeep Dasgupta, co-autor do novo estudo. "O nosso cenário é o primeiro a poder explicar o timing e a entrega de forma consistente com todas as provas geoquímicas."

    A teoria não é nova, embora tenha algumas variações: que foi a própria colisão a criar os elementos ou que estes chegaram à Terra depois do impacto que formou a lua. Uma das mais populares diz que a Terra colidiu com um protoplaneta com um núcleo rico em enxofre, o que é corroborado pela presença do elemento em mais locais do planeta (além do que existe no núcleo). Outra teoria aponta para meteoritos do sistema solar exterior, que teriam colidido com a Terra depois da formação do seu núlceo, mas o rácio de carbono/nitrogénio não bate certo com este cenário.

    A equipa liderada por Damanveer Grewal, testou os numerosos cenários com experiências de alta temperatura, alta pressão, modelos termodinâmicos e simulações numéricas. Ao todo, foram tidos em conta mais de mil milhões de cenários, comparados com as condições atuais do nosso sistema solar.

    "O que descobrimos foi que todas as provas são consistentes com um impacto formador da lua que envolve um planeta do tamanho de Marte, portador dos elementos voláteis e com um núcleo rico em enxofre", sublinha Grewal.