Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cádiz vai mandar cinco mil pombos para o “exílio”

Sociedade

Os pombos andam por todo o lado em Cádiz, no sul de Espanha

Raquel Maria Carbonell Pagola/Getty

O aumento exponencial do número de pombos nesta cidade do sul de Espanha está a espantar turistas para outras paragens. O autarquia tomou uma decisão: vão para longe

Não havia outra solução se não exilá-los. Aos pombos. Com uma população a rondar os nove mil exemplares, o alcaide (presidente da autarquia) de Cádiz, em Espanha, teve de tomar uma decisão. Há cinco mil pombos que têm de desaparecer da cidade porque estão a espantar os turistas e os locais das esplanadas e de outros sítios a céu aberto, como parques.

A solução encontrada não foi o “tiro ao alvo”, mas uma deslocação. Assim, cerca de cinco mil pombos são ser capturados e depois libertados em zonas não povoadas a pelo menos 275 quilómetros do município de Cádiz.

As “medidas de controlo sanitário e da população de pombos”, como refere o Ayuntamiento (autarquia), foram tomadas em conjunto com as autoridades que detêm a pasta do Ambiente para se chegar “ao método mais adequado e sustentável que permita ter populações de pombos adequadas a cidades como Cádiz”.

Procura-se um equilíbrio que permita a coabitação entre humanos e estes animais. A verdade é que as queixas que já vêm desde, pelo menos, 2017, surtiram efeito.

Os pombos desta cidade costeira do sul de Espanha, perderam o medo aos humanos e invadem tudo o que é esplanada. Mesmo quando alguém está a almoçar ou jantar, os animais (que muitos apelidam de ratos voadores) aproximam-se sem qualquer pejo e começam a bicar comida dos pratos, a atirar copos e garrafas para o chão e a armar uma enorme algazarra que afugenta os turistas. E mesmo dentro dos próprios estabelecimentos é comum ver pombos.

Vídeo gravado por um empresário da restauração e publicado no jornal La Voz de Cádiz

As fachadas dos prédios estão repletas de fezes de pombo e estar numa praça é um desafio.

Os empresários da restauração queixam-se de ter perdido 20% dos clientes devido à praga destes bichos e alertam para os perigos que os pombos representam para a saúde pública, já que os empregados têm de andar sempre a limpar os excrementos que ficam nas mesas e nas cadeiras.