Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Guia prático: O que deve saber sobre o sarampo

Sociedade

José Carlos Carvalho

Graça Freitas, Diretora-Geral da Saúde, responde a sete perguntas da VISÃO sobre o vírus do sarampo

As crianças só devem levar a vacina contra o sarampo aos 12 meses? Como se protege um bebé?

Os 12 meses são o esquema recomendado porque durante a gravidez a mãe passa anticorpos para o filho que entram em conflito com a vacina. O normal é que até aos 12 meses o bebé tenha ainda essa proteção da placenta. Quando há um surto de sarampo que atinge crianças pode optar-se por administrar imunoglobulina, que são anticorpos fabricados, mas só em casos em que o surto de sarampo se estende muito às crianças, o que até ver não é o que está a acontecer em Portugal. Nesse caso também recomendaríamos que as mães evitassem levar as crianças para espaços fechados com muita gente, como centros comerciais, por exemplo. O que é imperativo, para já, é que os pais vacinem mesmo as crianças aos 12 meses e que não protelem a toma.

Quais os riscos de apanhar sarampo na gravidez?

As grávidas não podem tomar a vacina. Quando sabemos que uma mulher grávida esteve exposta ao vírus fazemos o tratamento com imunoglobulina. Por isso é tão importante fazermos esta vigilância epidemiológica e sabermos quem esteve em contacto com os infectados.

A vacina contra o sarampo é 100% eficaz?

A maior parte das vacinas tem 90 e tal por cento de eficácia (a que tem mais eficácia é a vacina contra o tétano). Acontece o mesmo com a do sarampo, não chega aos 100% de eficácia. O resto do trabalho tem de ser feito pelo nosso sistema imunitário. Pessoas com doenças imunodepressoras terão mais dificuldade em conseguir essa eficácia.

Quem teve sarampo uma vez na vida pode voltar a ter sarampo?

Quem teve sarampo uma vez na vida pelo “vírus selvagem” (o que circula na natureza) não voltará a ter sarampo. A doença dá imunidade. Mas quem está vacinado com duas doses, o que acontece à maioria dos jovens adultos, como alguns dos profissionais de saúde que estão entre estes infectados, pode apanhar sarampo, só que um sarampo muito ligeiro. Ao contrário do que acontece com aqueles infectados que não foram vacinados, estes que o foram não podem transmitir a doença aos outros. Logo está afastado um dos maiores perigos do sarampo, que é o contágio. Quem só tiver levado uma dose (pode confirmar-se esta informação no boletim de vacinas) e tiver estado em contacto com alguém infectado por sarampo deve ligar para a Linha Saúde 24 e pedir aconselhamento. Há uma janela de oportunidade de 62 horas para tomar a vacina de forma eficaz. O mesmo se aplica aos não vacinados que tenham estado em contacto com infectados.

Quais são os perigos reais do sarampo?

A doença tem carácter de doença aguda mas pode complicar-se se provocar pneumonia ou encefalite (lesão cerebral). Esses casos podem ser graves, até mortais. Sendo um vírus, não há muito tratamento para o sarampo.

A que sintomas as pessoas devem estar atentas?

Febre, conjuntivite, pingo no nariz, falta de força, erupção cutânea.

Como se transmite o sarampo?

Através do contacto de pessoa para pessoa. Por espirros, tosse, conversa.