Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A aplicação chinesa que toda a gente quer ter no smartphone

Sociedade

Sean Gallup/ Getty Images

Chama-se TikTok e, com apenas dois anos de vida, já tem mais de 500 milhões de utilizadores, mas 40% não são da China. A aplicação já chamou a atenção até do CEO da Apple, Tim Cook, que visitou recentemente a sede da empresa que a criou, em Pequim

O objetivo é fazer vídeos curtos, editá-los e adicionar filtros, mas também permite a transmissão em direto, tal como o Facebook e o Instagram. Pode não parecer nada inovador, mas a verdade é que, desde que foi criada, em setembro de 2016, a TikTok já acumulou mais de meio bilião de utilizadores.

A rede social chinesa, desenvolvida pela empresa Bytedance, com sede em Pequim, rapidamente se tornou um sucesso internacional, e a prova disso é que 40% das pessoas que usam a aplicação para partilhar vídeos do dia-a-dia não são da China.

Em novembro do ano pasado, a empresa comprou a Musical.ly por 800 milhões de dólares, uma aplicação que permitia a criação de vídeos de 15 segundos, com edição de som e músicas de todo o mundo, possibilitando também a partilha com os outros utilizadores. A fusão entre a Musical.ly e a Tik Tok deu-se em agosto deste ano e intensificou ainda mais a vantagem internacional desta aplicação sobre outras plataformas chinesas.

De acordo com uma empresa de análise de redes sociais, a Sensor Tower, a ByteDance possui duas das três aplicações de vídeos que estão no top 10 das mais descarregadas do mundo: a TikTok e a Vigo (antes era Flipagram, que a empresa comprou no ano passado). Além disso, tornou-se a quinta maior fabricante de aplicações do mundo, segundo a Sensor Tower.

A TikTok consolidou ainda mais o sucesso da ByteDance, que existe apenas desde 2012. O sucesso da aplicação levou até o CEO da Apple, Tim Cook, a visitar a sede da empresa em Pequim e a reunir-se com vários empresáros.

Segundo a Reuters, a empresa está em negociações com a SoftBank, multinacional japonesa de telecomunicações e Internet, para um investimento que, se acontecer, vai valorizar a empresa em 75 mil milhões de dólares e que a torna uma das startups mais valiosas do mundo. Contudo, nem a ByteDance nem a SoftBank confirmaram ainda estas informações.

A empresa que faz diferente
A ByteDance sabe o que as pessoas gostam e aquilo que querem ver e fazer e isso tudo é possível devido à inteligência artificial que a empresa utiliza. Na China, a empresa ficou conhecida pela aplicação de notícias Jinri Toutiao, criada em 2012 e que ficou rapidamente popularizada.

Esta aplicação, que tem mais de 240 milhões de utilizadores ativos, fornece aos utilizadores feeds personalizados com notícias e a mesma fórmula desta plataforma foi aplicada na TikTok.

A globalização da ByteDance era quase inevitável: em 2015, lançou o seu primeiro produto internacional, o Top Buzz, uma aplicação de notícias em inglês, o que lhe garantiu uma vasta base de utilizadores espalhados pela Europa, Ásia, América do Norte e América do Sul. E os milhões de utilizadores que as aplicações da empresa atraem (principalmente jovens) fazem com que os investidores se interessem muito pela ByteDance, principalmente no que diz respeito a publicidade.

Além disso, a empresa faz dinheiro através de acordos de partilha de lucros. Na TikTok, por exemplo, os utilizadores podem comprar moedas virtuais para dar a outros e a empresa recebe uma parte desses lucros.