Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Quando um sismo transforma o solo em "água"

Sociedade

SOPA Images

O fenómeno chama-se liquefação do solo e ocorre quando este fica tão saturado de água que ele próprio se comporta como um líquido. O resultado pode ver-se nas imagens que mostram residentes da cidade indonésia de Palu a tentar fugir de um chão que, subitamente, ganha "vida"

Quando se olha para as fotografias da devastação de bairros inteiros na parte ocidental da ilha de Celebes na Indonésia, pode ver-se "apenas" o resultado do forte sismo na passada sexta-feira, que, em conjunto com o tsunami que desencadeou, matou mais de 1400 pessoas. Mas os especialistas explicam que parte da destruição se deve ao fenómeno de liquefação do solo - uma transição rápida do estado sólido para um estado praticamente líquido que ocorre quando o solo fica saturado de água.

No Twitter, circula desde o fim de semana um vídeo que mostra habitantes da cidade mais afetada a tentar encontrar solo firme, enquanto o que têm debaixo dos pés ondula. Outras imagens mostram uma zona de Palu a ser engolida por uma enxurrada de lama resultante do fenómeno.

"Durante um sismo, é gerada pressão de água no solo, o que provoca uma perda dramática de força. Essa perda pode ser tão grande que o solo se comporta quase como um líquido", explica à CNN Jonathan Stewart, professor de Engenharia Civil e Ambiental da UCLA.

O resultado é, em muitos casos, edifícios e outras estruturas a afundarem-se ou a serem completamente engolidos.

Palu, à semelhança de outras cidades afetadas pelo terramoto, estão situadas em zonas baixas, com solos que resultam da acumulação, ao longo de milhares de anos, de sedimentos dos rios e cheias ocasionais.

Segundo as autoridades indonésias, só no subúrbio de Balaroa foram "engolidas" 1700 casas pelo solo liquefeito.

"Quando o sismo se deu, as camadas sob a superfície tornaram-se enlameadas e soltas. A lama assim com tanto volume arrastou um complexo habitacional em Petobo de tal forma que é como se [as casas] tivessem sido absorvidas", lamenta Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da Agência de Gestão de Desastres da Indonésia.