Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Ninguém poderia sobreviver! Documentário defende queda em espiral do avião da Malaysia Airlines

Sociedade

Imagem da simulação feita pela National Geographic

National Geographic

Programa da National Geographic refere que o voo MH370, misteriosamente desaparecido em 2014, caiu de forma vertiginosa até bater na água

As causas do desaparecimento do MH370, o Boeing 777 que fazia um voo entre Kuala Lumpur, na Malásia, e Pequim, na China, em 2014, continuam a ser um dos grandes mistérios da aviação. Com 227 passageiros e 12 tripulantes a bordo o aparelho “evaporou-se” dos radares e não se sabe exatamente o que aconteceu.

O relatório final, apresentado em julho deste ano, concluiu: “A equipa não é capaz de determinar o verdadeiro motivo que levou ao desaparecimento do MH370. […] “Não há informações suficientes que determinem se a aeronave se partiu no ar ou durante o impacto com o oceano.”

No entanto, um novo documentário da National Geographic põe em causa esta teoria. Em Drain The Oceans: Malaysia Airlines 370 é referido que o avião estava intacto antes de entrar num vertiginosa descida em espiral e cair ao mar.

Acredita-se que o avião estava em modo de piloto-automático quando o motor direito falhou devido a falta de combustível. O piloto-automático terá corrigido a falha deste motor, mas, depois, o da esquerda também parou, pensa-se que dois minutos depois. Terá sido nessa altura que a aeronave guinou para a esquerda.

Os engenheiros entrevistados para o documentário dizem que o avião entrou, então, num mergulho em espiral, com a asa esquerda apontada quase na vertical para baixo. Ninguém poderia sobreviver.

O relatório oficial refere que o avião poderá ter voado cerca de 225 km sem combustível, mas no documentário diz-se que caiu no Oceano Índico muito antes disso.

Apesar das buscas feitas, apenas foram encontrados alguns pedaços do avião nas ilhas Maurícias, costa da Tanzânia, Moçambique, África do Sul e Madagáscar.