Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cientista portuguesa descobriu que os tubarões gostam de jazz

Sociedade

Além de ouvirem bem, os tubarões têm ainda uma espécie de sexto sentido que lhes permite serem muito eficazes a encontrar alimento. Estes animais estão equipados com um sensor, que deteta ténues oscilações na corrente elétrica, por mais pequena que seja a interferência, o que equivale a uma superaudição. “Têm uma capacidade incrível de detetar correntes nanoscópicas enquanto nadam por entre uma tempestade de ruído eletrónico. Os nossos resultados sugerem que o órgão eletrossensível do tubarão está sintonizado para reagir a qualquer tipo de alteração, de forma rápida, dizendo: ataca agora”, explica o autor de um estudo publicado na revista Nature, David Julius, da Universidade da Califórnia. Enquanto as raias, primas dos tubarões e também capazes de detetar alterações no campo elétrico, utilizam este sistema sensorial para encontrar comida, amigos e parceiros, os tubarões direcionam o sexto sentido exclusivamente para a caça

D.R.

A portuguesa Catarina Vila-Pouca, a trabalhar na Austrália, mostra que os temíveis peixes são mais inteligentes do que se julga e até têm um fino gosto musical

Sara Sá

Sara Sá

Jornalista

Em apenas três anos de doutoramento, Catarina Vila-Pouca, 28 anos, conseguiu atingir um objetivo, traçado quando ainda era criança: mostrar que os tubarões são animais inteligentes e sensíveis, em vez das criaturas sanguinárias que habitam 
o imaginário coletivo.

O ambiente marinho é rico em sons. Rochas a rolar no fundo do mar, animais a comunicar entre si e também motores a trabalhar – aliás, na água, o som pode viajar até quatro vezes mais rápido do que no ar. Há sons que funcionam como um sinal de alarme, outros que passam uma mensagem, e há também aqueles que são apenas isso, ruído. Para as espécies marinhas sobreviverem é essencial que as distingam umas das outras.

Já se suspeitava de que os tubarões eram capazes de detetar a aproximação das embarcações. Basta reparar no que acontece nas experiências de mergulho em gaiola, nas quais os animais são atraídos pelo barulho e recompensados com comida para se manterem por perto e entreter os turistas.

Numa investigação feita na Universidade Macquarie, em Sydney, a bióloga portuguesa, que trabalha no laboratório de peixes (Fish Lab), sob orientação do perito mundial Culum Brown, provou que os tubarões também têm um gosto musical apurado e são capazes de distinguir música jazz.

Catarina era ainda pequena quando decidiu dedicar a sua vida à mudança da imagem pública que se tem dos tubarões. Para isso, definiu logo a sua carreira: estudaria Biologia e, a partir daí, haveria de especializar-se no estudo destes peixes de má fama que “não são aquelas máquinas que só querem matar”, atira logo no início da conversa telefónica. E assim foi. Depois de terminar a licenciatura na Universidade do Porto, continuou para o mestrado, com o estudo dos tubarões na mira. Seguiu-lhes os movimentos, através de GPS e avaliou o impacto da pesca acidental. Quando chegou à altura do doutoramento, apontou para bem longe, mais ou menos para o outro lado do mundo. E é assim que, há três anos, a bióloga estuda, na Universidade Macquarie, o comportamento e as capacidades cognitivas de uma espécie que existe apenas na costa australiana, o tubarão de Port Jackson. Neste trabalho, agora publicado na revista científica Animal Cognition, propôs-se verificar se os animais conseguiam associar uma determinada música a uma recompensa.

Uma canção de cada vez

Primeiro, foi preciso escolher a batida certa: a canção de jazz Bossa Baguine, de Oscar Peterson, foi a eleita – porque agrada aos cientistas, mas sobretudo por estar na gama de frequências audíveis pelos pequenos tubarões. Todo o treino musical aconteceu nas instalações da universidade australiana. Como esta espécie é ovípara e relativamente pequena (quando nascem, os juvenis medem 30 centímetros e um adulto não ultrapassa um metro e meio) é fácil de manter no laboratório.

Catarina ensinou os tubarões a associar os estímulos musicais a uma recompensa – comida. De cada vez que tocava aquela música, os animais tinham de dirigir-se a determinado canto da piscina, onde os esperava um pitéu de pequenos peixes e crustáceos. Cinco em cada oito animais conseguiram aprender a tarefa, distinguindo a música jazz de outras, e associando a obra de Oscar Peterson à recompensa. Como se escreve no artigo científico, “foram observadas diferenças individuais, quer na atividade quer na ousadia, mas estes traços de personalidade não estavam relacionados com a capacidade de aprendizagem avaliada”.

A seguir, Catarina tentou treinar os animais numa tarefa mais exigente em que tinham de distinguir entre a mesma canção de jazz e uma música erudita, nadando para cantos opostos do tanque, de acordo com o som. Nesta, o resultado não foi tão positivo. Alternando entre Oscar Peterson e Philip Glass, 
os tubarões ficavam perdidos, sem saberem bem onde se deviam dirigir. 
“É uma tarefa mais difícil do que parece”, justifica a bióloga, “porque tinham de aprender quais as localizações diferentes que estavam associadas a um determinado tipo de música. Talvez com mais treino lá chegassem”.

Além de serem capazes de aprender, estes ovíparos – põem 16 ovos por ano – também têm boa memória. Todos os anos voltam a casa depois de migrarem para norte, percorrendo distâncias de mais de mil quilómetros ao longo da costa australiana. “Regressam sempre à mesma praia e juntam-se numa espécie de grupo de amigos. São animais sociais”, continua a investigadora. Em breve, a Catarina deverá publicar um artigo científico no qual se avalia a forma como a subida de temperatura da água afeta a capacidade de aprendizagem dos tubarões (um trabalho relacionado com o estudo do impacto das alterações climáticas).

Além de fazer investigação, Catarina Vila-Pouca ainda dá aulas, da disciplina de Evolução de Vertebrados, e está, como costuma acontecer, rendida à qualidade de vida em Sydney. Também deve ajudar o facto de o trabalho a “obrigar” a frequentar praias, mergulhar em zonas de corais e andar à volta de uma piscina, a ouvir música. Catarina não se cansa de elogiar o forte incentivo à ciência e as excelentes condições de trabalho: “É um sonho!” Defeito só aponta um: a enorme burocracia. “Há um grande pânico dos pedidos de indemnização”, diz. E, por causa disso, cada mergulho em trabalho carece de muita papelada. “Basta ter de molhar um dedo na água, para a coisa complicar”, brinca.