Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Armindo Azevedo é novo grão-mestre da Grande Loja Legal de Portugal

Sociedade

Ex-administrador de Fundação o ‘Século’ ganhou ao advogado Motta Veiga e vai liderar a maçonaria regular

Catarina Guerreiro

Catarina Guerreiro

Editora Executiva

A Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), a maior obediência da maçonaria regular portuguesa, tem um novo grão-mestre. Trata-se de Armindo Azevedo, antigo adjunto de Isaltino Morais na Câmara de Oeiras e ex-administrador da Parques Tejo. O maçon, que pertence à Loja Vasco da Gama, derrotou o advogado José da Motta Veiga com 61% dos votos, na segunda volta das eleições que decorreram no sábado, dia 7 de julho. Armindo Azevedo era um dos administradores da Fundação o ‘Século’ que está a ser investigada por suspeitas de peculato e abuso de poder cometidos por alguns elementos da instituição, tendo o ex- presidente, Emanuel Martins e o seu vice João Ferreirinho(também maçons) sido constituídos arguidos. Armindo Azevedo é membro da Loja Vasco da Gama e foi o maçon responsável por dinamizar a maçonaria em Cabo Verde. Foi ele quem liderou a abertura, em 13 de setembro de 2014, de uma loja da GLLP em Santiago, a maior cidade daqueke pais – a Eugénio Tavares. Para esta loja foram recrutados pessoas influentes, como o ex-bastonário da Ordem dos Advogados, Arnaldo Pina Pereira Silva, o diretor da polícia, Júlio Melício, e ainda um dos membros da direção de então do Banco Cabo-verdiano de Negócios, Pedro Mendes de Barros.

Armindo Azevedo toma posse a 22 de setembro, substituindo Júlio Meirinhos.

  • Clima de conspiração na maçonaria: Grão-mestre acusa vice de falta de lealdade e demite-o

    Portugal

    O socialista Júlio Meirinhos afastou José Motta Veiga do cargo de vice-grão-mestre, alegando traição. Acusa-o de querer ocupar o seu lugar e de andar a fazer campanha nas lojas às escondidas. A pouco tempo das eleições para a liderança da Grande Loja Legal de Portugal, o clima de tensão está instalado. Sucedem-se os processos de suspensões e as trocas de acusações. Meirinhos desvaloriza e diz que "é livre" de fazer o que entende

  • Contas da maçonaria sob suspeita

    Portugal

    Maçons da Grande Loja Legal de Portugal acusam o grão-mestre de usar indevidamente o dinheiro da instituição. Contestam a compra de um palácio por 3 milhões e acusam Júlio Meirinhos de ser "ditatorial" em relação as finanças e de atuar como se a "associação fosse sua". O caso está nos tribunais maçónicos mas também chegou aos tribunais comuns