Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Jorge Teixeira, o professor do ano: “Ser bom aluno está associado só a ter boas notas, mas é muito mais do que isso”

Sociedade

Jorge Teixeira, 49 anos, docente de Física e Química numa escola de Chaves, é o vencedor da primeira edição do Global Teacher Prize Portugal

DR

Jorge Teixeira, 49 anos, foi o vencedor da primeira edição do Global Teacher Prize Portugal. À VISÃO, o docente de Física e Química numa escola em Chaves, revelou alguns segredos para manter os alunos motivados e apontou aquele que considera o mais grave problema do ensino público

Vânia Maia

Vânia Maia

Jornalista

Sabe que uma aula correu bem quando, no final, toca a campainha da escola e os alunos ficam surpreendidos. “Significa que o tempo passou a voar”, enfatiza Jorge Teixeira, agora eleito professor do ano.

Métodos infalíveis a garantir a motivação dos estudantes não acredita que existam, mas há várias estratégias que podem ajudar. À VISÃO, revela as suas: “estimular os alunos pela positiva, usar o humor para brincar com as situações e exemplificar o que se ensina com situações quotidianas”. A haver alguma estratégia menos falível do que qualquer outra é a de “criar empatia com os alunos”.

Professor de Física e Química, do 3.º ciclo ao ensino secundário, no Agrupamento de Escolas Dr. Júlio Martins, em Chaves, Jorge Teixeira, 49 anos, é o vencedor da primeira edição do Global Teacher Prize Portugal – a realização da edição do próximo ano já está garantida.

A obsessão pelos resultados não faz parte da sua filosofia: “Ser bom aluno está associado só a ter boas notas, mas é muito mais do que isso.” Afinal, a principal missão da escola é “fazer os alunos observar e refletir”, mas nem sempre é fácil cumpri-la: “Exige tempo e, às vezes, somos obrigados a fazer tudo à pressão.”

Contudo, identifica problemas mais graves: “O mais dramático do ensino público é o papel do professor não ser reconhecido. Se os professores fossem reconhecidos tudo correria melhor nas escolas, os alunos seriam mais felizes e todos os outros problemas seriam mais fáceis de resolver”, defende.

Um clube de pensadores e fazedores

O Global Teacher Prize Portugal distingue professores que tenham desenvolvido iniciativas inovadoras para solucionar desafios educativos em contexto escolar.

O Clube do Ensino Experimental das Ciências (CEEC), que Jorge Teixeira criou há 12 anos na escola onde então dava aulas, foi o projeto selecionado (entre 110 candidatos) pelo júri presidido pelo docente da Nova SBE Afonso Mendonça Reis – o presidente honorário é o ex-ministro da Justiça Álvaro Laborinho Lúcio.

O CEEC é o sítio ideal para testar todas as estratégias de motivação. “É uma espécie de fábrica de alunos empreendedores”, sintetiza Jorge Teixeira. E um espaço de pensamento. O professor acredita que nem a total modernização da escola irá diminuir a importância da reflexão no contexto escolar: “Mesmo com toda a tecnologia do mundo, se o aluno não pensar, ela não vale de nada”.

O clube funciona como um local de encontro onde os alunos podem debater ideias e fazer experiências aplicando os conhecimentos aprendidos nas aulas. Está aberto semanalmente, fora do horário letivo, sendo acessível a todos os estudantes que queiram participar voluntariamente. O professor assume um papel de supervisor e dinamizador, mas a verdadeira liderança é entregue aos alunos.

Quando pediu transferência de agrupamento, há menos de um ano, Jorge Teixeira resolveu implementar o CEEC também na escola onde hoje dá aulas. Ao longo deste ano letivo, os membros do clube mediram a radioatividade da escola, realizaram atividades de sensibilização relativamente aos incêndios florestais e criaram um protótipo capaz de recolher água da atmosfera, uma espécie de pequeno desumidificador, especialmente útil para a rega. Apesar de focado no ensino secundário, as atividades do CEEC são extensíveis a todos os ciclos escolares.

Os resultados, garante, são transversais. A avaliação dos estudantes que frequentam o clube é “significativamente melhor” e, além de articularem mais facilmente a matéria das várias disciplinas, testam a sua vocação profissional para as ciências. Já os professores, sentem-se valorizados e aprendem sobre áreas diferentes das suas, enquanto os pais testemunham a motivação dos filhos.

Não embarca no discurso que acusa os jovens de serem desinteressados, a experiência diz-lhe que “têm outros interesses”, mas continuam a ter a mesma capacidade de pensamento.

Campeonato do mundo de professores

Jorge Teixeira está automaticamente nomeado para a edição internacional do Global Teacher Prize, que se realiza desde 2015, sob a égide da Fundação Varkey, dedicada à melhoria da educação em contextos socialmente desfavorecidos. O grande vencedor receberá um milhão de dólares (812 mil euros).

O principal promotor da iniciativa em Portugal, o docente Afonso Mendonça Reis, também faz parte do júri internacional. A nível nacional, a competição é apoiada pela Fundação Galp, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Federação Portuguesa de Futebol.

O vencedor do concurso nacional recebe €30 mil que serão aplicados em projetos educativos. Jorge Teixeira ainda não definiu como será distribuído o dinheiro, o investimento passará por novos projetos, mas também pelo CEEC, por exemplo, alargando a sua atividade a outras disciplinas além da área da Ciência.

Também foi atribuída uma Menção Honrosa, a cargo da Fundação Galp, que destacou o trabalho da professora Maria Francisca Macedo, professora do primeiro ciclo no ensino privado, em Lisboa. Autora da coleção de livros de aventura O Clube dos Cientistas, Maria Francisca Macedo procura fundir a criatividade e a ciência, estimulando a aprendizagem interdisciplinar.

Jorge Teixeira diz-se “professor de vocação e de coração” e, assegura, ver os seus alunos a ingressarem em grandes empresas ou a receberem convites do estrangeiro “vale mais do que qualquer Euromilhões”.

Antes de soltar uma gargalhada, faz uma confissão que combina com a alegria de ser eleito professor do ano: “A sala de aula é a minha terapia.”