Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Quatro maçons vão disputar liderança da Grande Loja Legal

Sociedade

António Pedro Ferreira

O antigo grão-mestre, José Moreno, entrou na corrida a líder da maçonaria regular. Vai enfrentar o advogado Motta Veiga, o gestor Armindo Azevedo e o economista Aníbal Bento

Catarina Guerreiro

Catarina Guerreiro

Editora Executiva

José Moreno, ex-grão-mestre da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), decidiu entrar na disputada pela liderança da obediência. O advogado e gestor vai enfrentar três adversários: o advogado José da Motta Veiga, o ex-administrador da Fundação o ‘Século’ Armindo Azevedo e o economista reformado Aníbal Bento. Os quatro estão neste momento a fazer campanha eleitoral interna nas várias lojas, onde se têm deslocado para dar a conhecer as suas ideias para a maçonaria.

As eleições realizam-se entre 25 de maio e 23 de junho e irão determinar quem sucederá a Júlio Meirinhos, o actual grão-mestre.

José Moreno pertence à loja Mercúrio e liderou a obediência entre 2010 e 2014. Já Motta Veiga faz rituais na loja Andersen e recentemente divulgou um vídeo onde explica aos maçons o que pretende mudar. Armindo Azevedo, da Loja Vasco da Gama, é apontado como tendo o apoio do actual grão-mestre e Aníbal Bento, da loja Europa, é visto como ‘outsider’.

Cada um dos candidatos teve de apresentar uma candidatura com o apoio de 21 maçons de topo (mestres maçons) de sete lojas diferentes.

  • Contas da maçonaria sob suspeita

    Portugal

    Maçons da Grande Loja Legal de Portugal acusam o grão-mestre de usar indevidamente o dinheiro da instituição. Contestam a compra de um palácio por 3 milhões e acusam Júlio Meirinhos de ser "ditatorial" em relação as finanças e de atuar como se a "associação fosse sua". O caso está nos tribunais maçónicos mas também chegou aos tribunais comuns

  • Clima de conspiração na maçonaria: Grão-mestre acusa vice de falta de lealdade e demite-o

    Portugal

    O socialista Júlio Meirinhos afastou José Motta Veiga do cargo de vice-grão-mestre, alegando traição. Acusa-o de querer ocupar o seu lugar e de andar a fazer campanha nas lojas às escondidas. A pouco tempo das eleições para a liderança da Grande Loja Legal de Portugal, o clima de tensão está instalado. Sucedem-se os processos de suspensões e as trocas de acusações. Meirinhos desvaloriza e diz que "é livre" de fazer o que entende