Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

As árvores angariadas pelo Natal estão quase a ir para a zona dos incêndios

Sociedade

RUI DUARTE SILVA

Já há espécies autóctones a caminho da zona Centro do País afetada pelos fogos, depois das campanhas de solidariedade que acabaram agora

Recebeu um marcador de livros no Natal que valia uma árvore a ser plantada na zonas queimadas pelos violentos incêndios do ano passado? Fez um seguro de casa que equivalia a uma árvore com a mesma finalidade?

Saiba agora que, no primeiro caso, a campanha solidária Hoje Ofereci uma Árvore, que o El Corte Inglés levou a cabo durante a época do Natal em parceria com a Quercus, permitiu que sejam plantadas dez mil exemplares na Serra do Açor, na freguesia de Pomares, no distrito de Coimbra.

A indicação para reflorestação desta serra, que ficou destruída quase na totalidade depois dos fogos passarem por lá, foi dada pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). E já tem data marcada: no dia 21 de fevereiro toda a gente está convocada para a plantação de uma área de 10 hectares, que ficará coberta por um bosque de espécies autóctones, como azereiro, azevinho, acer, freixo, tramazeira, castanheiro, pseudotsuga, camacíparis, cerejeira ou salgueiro.

Este projeto, chamado Criar Bosques, não se ficará por aqui, como explica Paula Nunes da Silva, engenheira florestal da Quercus: "A parceria será de três anos porque depois vai ser preciso cuidar, controlar a vegetação espontânea e manter as árvores de boa saúde."

Esta técnica desafia todos os que queiram ajudar a mandar um mail para criarbosques@quercus.pt com assunto: hoje ofereci uma árvore. No entanto, sabe que dificilmente conseguirão acabar a empreitada naquele dia, até porque "vai ser duro" - o terreno está ardido e sem qualquer preparação para o cultivo.

Paula Nunes da Silva só espera que os viveiros do ICNF não se esgotem porque tem ainda muitas mais iniciativas como esta para concretizar em breve. E dá como exemplo a parceria que a Quercus estabeleceu com os CTT, em que se angariou dinheiro para mais de 60 mil exemplares.

De modo autónomo, e logo em outubro, a seguradora Allianz lançou uma campanha em que por cada novo contrato celebrado para o seguro de habitação Allianz Casa, parte do dinheiro era desviado para a compra de uma árvore que iria reflorestar a zona ardida. Terminada o período em que fizeram da iniciativa Vamos Plantar o Futuro, estão em condições de avançar que plantarão 10 mil árvores. Esperam agora que a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente lhes indique qual a zona mais necessitada e quais as espécies a comprar. Nessa altura, desafiarão os seus colaboradores e mediadores para irem para o terreno ajudar na missão de tornar aquela zona centro mais verde.