Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Maçonaria admite abrir inquérito ao caso da Fundação “O Século”

Sociedade

Foto Lusa

Investigação da VISÃO revelou que os membros do Conselho de Administração da Fundação que está a ser investigada por suspeitas de crime de peculato e abuso de poder são todos maçons. Grão-mestre admite que está atento e lembra que se justificar pode abrir ações disciplinares

Catarina Guerreiro

Catarina Guerreiro

Editora Executiva

Depois de a VISÃO ter revelado o que se passava na Fundação “O Século”, que está a ser investigada por suspeitas de crime de peculato e abuso de poder, e revelado que os membros do Conselho de Administração são maçons, a Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), a onde pertencem, fez um comunicado a explicar que poderá vir a ser instaurado um inquérito disciplinar.

«A Grande Loja Legal de Portugal/ Grande Loja Regular de Portugal tem mecanismos internos de ação disciplinar que serão acionados se e quando para tal existam razões que o justifiquem”, garante o Grão-mestre Júlio Meirinhos num comunicado, aproveitando para reafirmar a sua “absoluta e total confiança no sistema judicial do Estado Português, que saberá certamente punir quem deva ser punido e ilibar quem deva ser ilibado”.

Como a VISÃO noticiou na sua edição de 11 de Janeiro, os elementos do Conselho de Administração da Fundação “O Século” são todos “irmãos” maçónicos. O presidente Emanuel Martins pertence à Loja Verney e o seu vice-presidente, João Ferreirinho, frequenta a Loja Afonso Domingues. Já Umberto Pacheco, antigo vereador da Câmara Municipal de Cascais pelo PS, que nos últimos anos foi administrador executivo e não executivo da Fundação (mas que recentemente abandonou o cargo), também é maçon da GLLP.

Os restantes dois administradores não executivos também pertencem à maçonaria. António Dias Baptista foi iniciado no Grande Oriente Lusitano (GOL) e o outro administrador, Armindo Azevedo, que foi adjunto de Isaltino Morais na Câmara de Oeiras, pertence à loja Andersen da GLLP e foi um dos enviados pela obediência a Cabo Verde para ali abrir uma loja maçónica.

Perante as notícias que envolvem estes maçons e suspeitas de irregularidades na gestão da Instituição Particular de Solidariedade Social, que todos os anos recebe apoios e subsídios do Estado, Júlio Meirinhos, aproveita para “reafirmar que a Maçonaria se baseia no escrupuloso cumprimento das leis de Estado como aliás vem expresso na sua Constituição, no artigo 10º e em inúmeros juramentos prestados pelos seus membros». E sublinha que “a GLLP não participa nem patrocina a participação em negócios de empresas e associações que lhe são estranhas, dedicando-se apenas ao trabalho maçónico realizado em loja”. O líder dos maçons diz rejeitar, por isso, que a maçonaria seja associada a este tipo de situações, que “afectam o seu bom nome”.

Depois das Raríssimas, este é um novo caso a envolver uma instituição Particular de Solidariedade Social a ser investigada pelo Ministério Público por suspeitas de uso indevido de verbas.