Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A história por detrás da "melhor" fotografia dos novos "quatro fabulosos" britânicos

Sociedade

Nos últimos dias, aquela que parecer ser unanimemente considerada na Internet como a "melhor fotografia" dos príncipes Harry e William com as respetivas companheiras tem dado muito que falar. Sobretudo porque não é obra de nenhum fotógrafo profissional

Quando decidiu levar a filha no dia de Natal para ver a família real na missa em Sandringham, Karen Anvil não adivinhava que isso mudaria a sua vida por completo. Este é um dos eventos mais importantes da época festiva em Inglaterra e muitas foram as pessoas que no dia 25 se dirigiram ao local para ver a atriz americana Meghan Markle, no seu primeiro Natal com o noivo, o príncipe Harry, e a restante família real britânica.

Na imagem dos novos "fab four", como já são apelidados desde que foi anunciado o casamento do príncipe Harry, captada junto à igreja de Santa Maria Madalena, Kate e o cunhado olham diretamente, e sorridentes, para a câmara empunhada por Karen e não tardou até a foto se tornar viral no Twitter. À BBC, a autora contou como tudo aconteceu naquela manhã de Natal. "Eu sou muito fervorosa por natureza e estava ali com a minha filha e fiquei um bocadinho entusiasmada de mais, suponho. Estava a tirar fotografias e de repente gritei "Feliz Natal" como uma idiota. Eu estava a ser uma autêntica fã. E foi assim que consegui que eles olhassem para mim", conta Karen.

Por volta das 11 horas, Karen decidiu publicar a fotografia na sua conta do Twitter e rapidamente chegou aos milhares de "gostos", com vários comentários a aconselharem-na a registar os direitos de autor da fotografia e ganhar algum dinheiro. Ao fim de alguns horas, estava a receber chamadas com pedidos para usar a imagem.

Karen Anvil tem 39 anos é natural de Watlington, Norfolk em Inglaterra e é mãe solteira de Rachel, 17 anos. A britânica contou ao jornal The Independent que viveu durante sete anos com sépsis, que ocorre quando uma infeção bacteriana entra na corrente sanguínea e se alastra ao resto do corpo.

A doença pode ser fatal e a sobrevivência do paciente depende da força da bactéria que causou a infeção e do sistema imunitário do indivíduo bem como da rapidez do diagnóstico. Os sintomas desta doença passam por febres altas, náuseas, vómitos, e batimentos cardíacos acelerados.

Quando, no ano passado, Rachel disse à mãe que gostava de ir ver a família real à chegada à tradicional missa de Natal, esta prometeu-lhe que o fariam juntas assim que estivesse recuperada. E foi assim que este ano, a caminho da casa de familiares para a ceia de Natal, a fotógrafa acidental pensou que ver a família real "seria uma boa maneira de começar o dia". "Nós queríamos muito ver Meghan, por isso tiramos a manhã para isso", continua a britânica.

Mãe e filha chegaram a Sandringham pouco depois das oito da manhã e esperaram pela família até perto das onze da manhã. "Não queríamos acreditar que os quatro vinham na nossa direção. Foi fantástico!", recorda.

A fotografia tem agora cerca de 80 mil "gostos" no Twitter e Karen foi aconselhada pelos próprios fotógrafos da família real a cobrar os direitos da imagem.

"O problema é que eu odeio 'jogar a cartada' da mãe solteira. Sim, sou mãe solteira, tenho dois empregos dos quais estou muito orgulhosa e tenho trabalhado sempre. Agora quero guardar dinheiro para pagar a universidade da minha filha e se o conseguir fazer, se tiver essa oportunidade, vai ser ótimo!".