Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Beber chá reduz risco de glaucoma

Sociedade

DR

Os químicos presentes na planta podem ter um efeito protetor

Rosa Ruela

Rosa Ruela

Jornalista

Tomar uma chávena de chá quente por dia reduz o risco de vir a desenvolver glaucoma, concluiu uma equipa de investigadores americanos da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Segundo o estudo, agora publicado no British Journal of Ophthalmology, as propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias da planta do chá não evitam completamente as doenças oculares que provocam danos no nervo ótico e muitas vezes a perda de visão, mas reduzem significativamente essa hipótese.

Entre os 1678 participantes do estudo (a maioria brancos não-hispânicos, com 40 ou mais anos), aqueles que bebiam pelo menos uma chávena de chá quente por dia tinham 74% menos hipóteses de vir a desenvolver glaucoma, quando comparados com os que nunca tomavam chá.

A mesma investigação, que cruzou o consumo de bebidas ao longo de um ano com os resultados de exames aos olhos, concluiu que beber café, chá gelado, chá descafeinado ou refrigerantes não diminui esse risco significativamente.

Os resultados do estudo terão, agora, de ser complementados por investigações focadas apenas no consumo de chá quente, notam os seus autores. Além de haver uma baixa incidência de glaucoma entre os participantes (5,1 por cento), não se levou em linha de conta o tipo de chá nem a temperatura exata do mesmo. Apenas se determinou o grupo daqueles que bebiam chá quente com cafeína.

“Os resultados são preliminares e beber chá quente pode não prevenir o glaucoma”, disse ao jornal Independent a especialista em glaucoma Anne Coleman, professora na Universidade da Califórnia e co-autora do referido estudo. “Mas quem consome têm menos hipóteses de ouvir esse diagnóstico.”

As propriedades protetoras do chá – sobretudo do chá verde – são há muito conhecidas dos cientistas. A explicação está nos polifenóis e outras substâncias que podem reduzir o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, artrite e diabetes. Torna-se igualmente cada vez mais claro que o chá atua como um agente profilático num grande número de cancros. Os mesmos cientistas concordam ser necessário realizar ensaios clínicos de larga escala que provem, sem margem de dúvida, essa mesma relação. Só depois se poderá avançar com recomendações.

Estima-se que o glaucoma afete cerca de 57,5 milhões de pessoas em todo o mundo.