Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Se pode viver, porque há de escolher morrer? Sete passos para cuidar do coração

Sociedade

D.R.

Os problemas de circulação sanguínea são os que mais matam em todo o mundo. Mas a verdade é que a grande maioria dos problemas cardíacos pode ser prevenida com um estilo de vida saudável. Está nas suas mãos – e também nos pés e na boca – manter um coração saudável

Sara Sá

Sara Sá

Jornalista

Leia também:

Transplantes de coração: Casos de quem ganhou uma segunda vida

Mantenha-se ativo

Parar é um perigo
Praticado com frequência e de forma vigorosa, o exercício físico fortalece o músculo cardíaco e, além disso, contribui para o controlo de outros fatores de risco, como os níveis de colesterol (aumenta o bom e diminui o mau), a pressão arterial e a taxa de açúcar no sangue.

Evite o stresse

O inimigo subtil
A relação entre os níveis de stresse e a saúde do coração não está ainda completamente esclarecida. Mas é sabido que o stresse potencia comportamentos que implicam risco, como o consumo de tabaco e de álcool, e aumenta a tensão arterial.

Controle a pressão sanguínea

Objetivo: 11/7
Para uma pessoa sem doença cardíaca, a recomendação é de que a tensão arterial se mantenha abaixo dos 140/90 mmHg. Apesar disso, a mortalidade cardiovascular começa a aumentar a partir dos 110/70 mmHg. Portanto, este deve ser o seu objetivo. Meça a tensão com regularidade e consulte o médico se ultrapassar os limites indicados.

Olho na balança

O peso 
da obesidade
Ter peso a mais contribui para os mais importantes fatores de risco cardiovascular: diabetes, colesterol e pressão sanguínea.

Atenção à diabetes

Um inimigo chamado açúcar
Adultos com diabetes tipo II têm o dobro do risco de morrer de doença cardíaca. Isso acontece porque com insulina a menos, ou utilizada de forma ineficiente, o açúcar ingerido vai-se acumulando em todo o corpo, incluindo nos vasos sanguíneos.

Reduza o sal

Os portugueses consomem o dobro do que deviam
Uma colher de chá por dia, diz a Organização Mundial de Saúde, em relação ao consumo de sal. Em Portugal, a média per capita é de 10,7 gramas, o dobro do recomendado. E este é um dos principais contributos para a hipertensão.

Não fume

O tabaco é a principal causa de morte evitável
De todos os ataques que faz ao seu corpo, este é de longe o mais violento, afetando todos os órgãos, em particular o coração e os pulmões. Alguém que fume um maço de tabaco por dia tem o dobro do risco de ter um ataque cardíaco do que quem nunca tocou num cigarro.

Os produtos presentes no fumo do tabaco danificam o funcionamento do coração e a função dos vasos sanguíneos, favorecendo a formação de uma placa, chamada aterosclerose, que endurece e estreita as artérias. Resultado: chega menos oxigénio ao coração; aumenta a pressão sanguínea e o ritmo cardíaco; há maior formação de coágulos; ocorrem danos nas artérias coronárias e noutros vasos sanguíneos.

190: Olhe pelo seu colesterol

Os números mágicos
O nosso corpo precisa de colesterol para fazer novas células, estabelecer as ligações entre nervos e produzir hormonas. 
A maior parte do colesterol que existe em circulação é produzido no fígado. O restante vem da alimentação. Quando está em excesso, o LDL, dito colesterol mau, acumula-se nas paredes das artérias, contribuindo para a aterosclerose. Por outro lado, o HDL ajuda a remover o colesterol das artérias. Para uma pessoa sem fatores de risco, o colesterol total não deve ultrapassar os 
190 mg/dL e o LDL deve manter-se abaixo dos 130.

Artigo inserido no dossier especial sobre o coração da VISÃO 1281 de 21 de setembro