Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A corrida ao "petróleo branco" português: o lítio

Sociedade

Os sacos estão cheios de um pó cinzento, amostras de rocha recolhidas das perfurações nos montes do concelho de Montalegre

Lucilia Monteiro

É um tesouro escondido debaixo dos nossos pés e está a atrair várias empresas estrangeiras que o querem explorar. É que o mercado do lítio, mineral usado nas baterias dos carros elétricos, agigantou-se. Mas nada é fácil na sua extração. Fomos ver como se faz

Nos montes baldios da aldeia de Carvalhais, freguesia de Morgade, concelho de Montalegre, anda uma máquina perfuradora a fazer “buraquinhos” no chão. No mesmo dia em que espreitámos lá para dentro, o governo do novo presidente francês, Emmanuel Macron, fez um anúncio. E que têm os cerca de 30 habitantes de Carvalhais a ver com isso? Tudo.

Diz a França que, daqui a 23 anos, não quer veículos a gasóleo ou a gasolina a circular no país. “Anunciamos o fim da venda de veículos a gasolina e diesel até 2040”, disse o ministro do Ambiente, Nicolas Hulot. “É uma verdadeira revolução, mas as condições estão reunidas”, acrescentou.

E quando falamos de França estamos a falar da Renault, da Peugeot e da Citroën. Um dia antes, a Volvo anunciara que todos os seus modelos terão motores elétricos já a partir de 2019. A marca, que já foi sueca e agora é chinesa, garante que vai vender um milhão de carros elétricos até 2025.

A China, aliás, lidera esta revolução, sendo o país com mais veículos elétricos em circulação (e na construção, detém 40% da quota mundial). Mas até 2020 todos os grandes fabricantes de automóveis prometem novos modelos elétricos, cuja produção poderá ser superior à dos veículos com motores tradicionais.

É uma corrida à escala mundial da qual José Medeiros, 70 anos, parece alheado, enquanto desce do trator para se abrigar da chuva no estábulo das vacas. O tempo está parado nos Carvalhais, no dia do grande temporal que este verão fez cair granizo no distrito de Vila Real, e não se vê vivalma nas ruas.

Só por aparência estas casas de pedra e estes tanques comunitários, bebedouros para os animais, nos levam para um século que já passou. Porque José está bem ciente do século XXI que andam a esgravatar nos baldios. “Dizem que é o futuro e não nos incomoda porque aqui está tudo emigrado, tenho duas filhas e netos no Porto, tudo foge para a cidade”, vai dizendo, enquanto sonha: “Na aldeia somos 20 ou 30, já nem chegamos para um baile. Agora dizem que vão empregar ali 200 pessoas. Se eu fosse mais jovem abria um restaurante para dar de comer a essa gente”.

As petalites barrosãs

Essa gente que anda em Carvalhais atrás do lítio são ainda meia dúzia – quatro geólogos, dois assistentes, mais os operadores da perfuradora, contratada a uma empresa espanhola. Esta fase da prospeção está a cargo da empresa australiana Dakota Minerals, que recentemente mudou o nome para Novo Lítio. Assim, em língua portuguesa, para mostrar a importância que o mineral luso tem na sua atividade, explica o presidente, David Frances, que se mudou com a família para Lisboa.

Também Francis Wedin, o diretor técnico da empresa, se mudou para Portugal, instalando a família em Braga. Encontramos os dois na freguesia de Morgade. Estamos em terras do Barroso e a sua riqueza em lítio não é, porventura, tão famosa quanto a sua abundância em costeletão – esse sim, um pilar da economia local, sem as incertezas das quimeras dos minerais.

Antigamente, havia ali perto as minas do Beça, de onde se extraía estanho. Esta onde estamos é a exploração de Sepeda (outra toponímia para Cepeda, uma das freguesias de Montalegre). É a segunda maior ocorrência de lítio da Europa, vai dizendo David Frances, neste género em que se encontra na natureza, ou seja, hospedado numa rocha a que se chama pegmatito e que se costuma encontrar próximo de granitos.

Os pegmatitos desta região são ricos em minerais como a espodumena e a petalite, sendo o caso de Carvalhais maioritariamente petalite, onde os geólogos podem encontrar concentrações até 4,5% de lítio. E depois de terem feito mais de 100 sondagens de prospeção geológica (vulgo buracos) nos matos cobertos de urze e de carqueja, a Novo Lítio concluiu que ali havia 10,3 milhões de toneladas de rocha, sendo que 1% dessa rocha corresponde a óxido de lítio (Li2O).

E agora? É fazer as contas. A prospeção pode estar a chegar ao fim e só um estudo mais apurado determinará a viabilidade económica da exploração. Porque o lítio português não jorra como o petróleo da Arábia Saudita; é uma riqueza que ali está de difícil alcance e de transformação dispendiosa. Para o que se encontra na América do Sul, basta uma salmoura (em grandes lagos salgados) e pouco mais para que o carbonato de lítio (Li2CO3) fique pronto a ser usado nas baterias de iões de lítio, cuja aplicação vai dos carros elétricos aos telemóveis.

É um mercado gigante dominado pelos fornecedores do Chile, da Argentina e da Bolívia. Mas separar o lítio da petalite é muito mais dispendioso e, com a tecnologia atual, não é fácil competir com os preços da América do Sul.

Reserva de lítio na Argentina, um dos maiores fornecedores deste metal precioso, a par dos vizinhos Chile e Bolívia

Reserva de lítio na Argentina, um dos maiores fornecedores deste metal precioso, a par dos vizinhos Chile e Bolívia

Enrique Marcarian

Quanto vale uma pegada

Mas o lítio português tem as suas vantagens. “Está na Europa e os produtores de baterias estão interessados num fornecimento europeu, mesmo que fique um pouco mais caro”, explica David Frances, cuja empresa opera em Portugal e na Suécia.

É que o consumidor europeu compra um carro elétrico consciente das suas vantagens para o ambiente e vai gostar de saber que foi construído com uma pegada ecológica mais sustentável – trazer o lítio da América do Sul tem os seus custos. Além disso, a viabilidade da exploração de lítio na Europa permite reduzir a dependência em relação aos fornecedores sul-americanos.

“É uma corrida; precisamos chegar ao mercado antes dos outros e Portugal, nestas questões, é o seu pior inimigo – nada é feito com rapidez”, queixa-se o presidente da Novo Lítio.

O facto é que esta corrida está cheia de obstáculos. O último foi lançado pelas universidades do Texas e de Seúl, que descobriram uma alternativa muito mais barata para fazer baterias: o sódio. Esse mesmo, que simplesmente se retira da água do mar. “Embora as baterias de iões de sódio possam ser mais baratas do que as de lítio, o sódio consegue menos 20% de densidade energética”, disse Kyenongjae Cho, professor de ciência dos materiais. Apesar disso, os investigadores conseguiram fazer uma bateria usando sódio em vez de lítio e manganês em vez de cobalto e níquel.

O relatório do grupo de trabalho do lítio, encomendado pelo Governo, foi publicado antes desta descoberta e fala em “oportunidades” trazidas pelo crescente interesse no lítio nacional. Só em 2016 deram entrada cerca de três dezenas de pedidos para prospeção e pesquisa, num total de 3,8 milhões de euros de investimento proposto, sendo que o maior interesse se situa nas Covas do Barroso. O relatório recomenda a criação de um cluster que inclua a industrialização (no processamento dos minérios) e a economia circular (na reciclagem de baterias).

Além disso, o relatório não descuida o uso que o lítio português tem tido até agora, antes do aparecimento da febre tecnológica: ele é usado na indústria do vidro e da cerâmica, além da indústria farmacêutica, uma vez que integra a composição de alguns medicamentos, nomeadamente antidepressivos.

Um sonho de juventude

Com as ações suspensas na bolsa australiana enquanto lida com divergências com a Lusorecursos, a empresa portuguesa que detém a propriedade das licenças de prospeção e do pedido de licença de exploração de Sepeda, a Novo Lítio continua a esburacar os montes de Carvalhais, pertencentes à população e geridos pelo conselho diretivo de baldios. Por enquanto não pagam renda, mas vão negociando com os habitantes algumas beneficiações da aldeia, nomeadamente uns desvios de água necessária para as hortas.

Os impactos ambientais da prospeção do lítio ainda não se notam. “O único contaminante usado aqui é o combustível das máquinas”, garante John Morris, 42 anos, geólogo e responsável de operações. Contaminante do ar e não dos solos, reforça. E não, John não é australiano. Filho de portugueses emigrados em Moçambique, foi nascer à África do Sul e aí ganhou o nome: John Morris Vale Pereira. Vive no Porto, mas conhece bem a zona, pois esteve mais de cinco anos a trabalhar com a empresa canadiana Medgold, nas minas de ouro de Boticas. Esses investiram três milhões de euros e chegaram à conclusão que a exploração não era viável. Foram-se embora, como acontece tantas vezes – umas porque o mineral encontrado não compensa os custos de exploração; outras porque a empresa não tem capacidade financeira.

John Morris e Romeu Vieira, também geólogo, mostram-nos o maior buraco que fizeram em Carvalhais: tem 545 metros de profundidade. Desses buracos retiram as carotes (amostras de pedra com 30 centímetros de diâmetro). O que vai para o laboratório é já um pó cinzento, que se armazena em sacos monte abaixo, naquele chão que cintila ao sol do meio-dia. “São filossilicatos, minerais no xisto que refletem a luz”, explicam.

Se os australianos conseguirão vingar ou não em Sepeda, Orlando Alves não sabe. Mas o presidente da Câmara de Montalegre tem uma certeza: “O nosso concelho tem uma grande riqueza em minérios”. E parte logo para a sua infância, quando as minas da Borralha ainda laboravam. Durante a II Guerra Mundial saiu dali muito volfrâmio, tanto para os alemães como para os americanos. “Até 1986, as minas davam emprego a 800 pessoas, que tinham casa, luz e água gratuitas. Já os administradores viviam em chalés alpinos”, continua recordando. Mas todos os dias tocava o sino porque “alguém tinha morrido com o mal da mina”, uma doença pulmonar chamada silicose.

O sonho de Orlando Alves é o repovoamento de Montalegre. “Vejo no lítio uma enorme oportunidade de trazer para aqui gente qualificada e fazer voltar os filhos da terra que se espalharam pelo mundo”, entusiasma-se. Para isso a mina não chega; é preciso “uma unidade de transformação do lítio – cláusula que deve estar no futuro contrato de exploração da jazida”, reclama.

Porque nos anos 60 Montalegre tinha 40 mil habitantes e agora são cerca de 12 mil. “E temos a área da ilha da Madeira, 808 quilómetros quadrados. Mas só há velhos”, vai lamentando, concluindo com um suspiro: “Estamos a trabalhar para o futuro nem sei de quem…”