Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

As técnicas para higienizar os esfregões de cozinha só os tornam mais sujos

Sociedade

Tem o hábito de limpar o esfregão da cozinha em vez de o deitar fora? Um novo estudo realizado recentemente revelou que limpar os esfregões/esponjas de cozinha apenas os torna... mais sujos

Limpar o esfregão, colocando-o no microondas, mergulhando-o em vinagre ou até mesmo numa panela a ferver podem parecer métodos eficazes, sobretudo para poupar dinheiro. No entanto, uma análise mais detalhada revelou que limpar o esfregão de cozinha é tão ineficaz que o melhor mesmo é deitá-lo fora.

Um estudo, publicado em julho e conduzido por Markus Egert, microbiologista da Universidade de Furtwangen na Alemanha, analisou 14 amostras de esfregões de cozinha usados incluindo aqueles que são regularmente limpos. Nas amostras foram encontradas cerca de 362 espécies diferentes de bactérias e 5 das 10 espécies de bactérias mais frequentes eram agentes potencialmente patogénicos, ou seja, capazes de originar doenças.

Além destas descobertas, os cientistas ficaram ainda mais surpresos ao descobrir que cerca de 82 mil milhões de bactérias estavam presentes em apenas 16 centímetros cúbicos. A comparação de Egert ajuda a compreender a dimensão do fenómeno: “Essa é a mesma densidade de bactérias que pode ser encontrada em amostras de fezes humanas. Provavelmente não há outros lugares na terra com uma densidade tão alta de bactérias.”

A limpeza regular de um esfregão pode, de facto, ajudar a reduzir significativamente as bactérias matando as mais fracas. No entanto as mais fortes, as mal cheirosas e as potencialmente perigosas sobreviverão.

Um esfregão atrai inúmeras bactérias seja através dos alimentos, da pele ou de outras superfícies. O ambiente quente, húmido e rico em nutrientes ao qual o esfregão está exposto permite que as bactérias possam prosperar em condições de vida perfeitas.

O mau cheiro proveniente do esfregão após algum tempo de utilização tem, também, uma razão. De acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo deve-se a um micróbio, o Moraxella osloensis, que existe na natureza, vive na pele humana e pode causar infeções em pessoas com um sistema imunitário enfraquecido. O mau odor que este micróbio emite provém do seu metabolismo, uma vez que come e excreta gordura.

A solução? Os investigadores acreditam que o melhor mesmo é substituir o esfregão velho por um novo todas as semanas.