Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Isto é outro campeonato: oferecer biscoitos sírios em vez de flores

Sociedade

D.R.

Os atletas que participaram nos Campeonatos Europeus Universitários, em Coimbra, puderam provar biscoitos sírios, feitos na casa de uma família de refugiados. Para o ano, receberão sabonetes Amal

Em maio, a VISÃO publicou um artigo sobre uns sabonetes sírios que iriam ajudar na integração de mulheres refugiadas. Uns dias mais tarde, pediram-nos o contacto da associação Amal Soap - Hope for a New Home que, na altura, tentava angariar dinheiro num crowdfunding para assegurar a manufatura dos sabonetes. Demos, convictos de que seria por uma boa causa. E foi.

António Barros, diretor criativo do Projeto de Imagem, Media e Comunicação da Universidade de Coimbra, entrou em contacto com Benedita Contreras, a estudante de mestrado da Universidade Nova de Lisboa que está por trás da ideia dos sabonetes Amal, e lançou-lhe um desafio: as mulheres sírias deveriam fazer 800 sabonetes para entregar aos atletas que participariam nos Campeonatos Europeus Universitários, em Coimbra. "Temos consciência educativa e os refugiados são um problema que nos preocupa", explica assim a opção por este presente.

Benedita adorou a ideia, claro, mas teve de dizer que não conseguiriam assegurar tamanha produção, pelo menos para já. E então lembrou-se de propor que, em vez dos sabonetes, Maysa e Ali e os seus três filhos, todos refugiados sírios a viver na Parede, se dedicassem a fazer biscoitos típicos, à base de tâmaras e sésamo, para dar aos desportistas. Ideia aceite.

Os campeonatos acabaram na semana passada e trouxeram a Coimbra 800 praticantes de três modalidades (judo, karaté e taekwondo), que apreciaram bastante a oferta original, em vez das tradicionais flores.

Entretanto, e como a experiência preambular correu bem, já ficou assegurado que para o ano, quando chegarem a Coimbra os cinco mil atletas de 13 modalidades, oriundos de 350 universidade de 40 países, receberão sabonetes Amal, feitos à mão por mulheres sírias, usando azeite e louro para lhes dar aroma e propriedades hidratantes.

Portugal com poucos refugiados

No início desta semana, a Comissão Europeia lançou um aviso a Portugal para tomar medidas urgentes até setembro para acolher mais refugiados. É que, em dois anos, apenas chegaram cá metade das pessoas que era suposto, tendo em conta o compromisso de quotas, assumido em Bruxelas. Portugal deveria ter recebido 2.951 refugiados sírios, mas até agora só chegaram 1.476 pessoas. Desses, a maioria (75%) chegou da Grécia, 299 de Itália e 76 do Egito, da Turquia e de Marrocos.

  • Sabonetes que podem salvar sírios. Se nós ajudarmos

    Sociedade

    Dos sabonetes artesanais de Allepo solta-se um aroma especial a louro, antes de hidratar a pele por causa do azeite. Graças a um grupo de estudantes, podemos passar a tê-los em Portugal, pela mão das mulheres sírias que querem ajudar as suas famílias a integrar-se