Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

De proprietária a inquilina

Sociedade

  • 333

Vanessa Barreira é proprietária de um T1 em Alfama, que aluga a turistas através do Airbnb, e procura arrendar um apartamento para si nos bairros antigos de Lisboa. Mas não está fácil. Uma das muitas histórias reais que vai poder encontrar na reportagem 'A Loucura das Rendas de Casa', na VISÃO desta semana

Vanessa Barreira nasceu em Peniche mas, há 14 anos, que mora em Alfama, em Lisboa, sempre com vista para o rio Tejo. Já perdeu a conta às vezes que mudou de casa, mas ainda não tinha sido preciso sair do típico bairro alfacinha, nem mesmo quando, há sete anos, pôs a sua casa a arrendar a turistas. Em 2010, Vanessa Barreira, 35 anos, comprou uma casa em mau estado, também em Alfama, e recuperou-a. No verão, era para turistas, com uma taxa de ocupação de 95%, no inverno, voltava a ser sua. Só há dois anos, com o “boom” do Airbnb é que Vanessa deixou de conseguir encontrar casas para aluguer de longa duração para si própria.

Agora, anda à procura de casa na zona da Graça, pois mesmo morando sozinha o seu T1 duplex na Rua dos Remédios está a ficar pequeno. Escolheu visitar um T2 com 63 metros quadrados no Largo da Graça. Agrada-lhe estar perto dos miradouros e apesar de ali passarem muitos automóveis e o elétrico 28 durante o dia, Vanessa acredita que à noite tudo será mais calmo. A única exceção será na época dos Santos Populares, que tão bem conhece.

A porta verde da rua abre-se e Vanessa Barreira, acompanhada pelos mediadores da Reilar, sobe uma escadaria de madeira. É diferente ser um primeiro andar sem elevador ou o seu atual quarto andar de degraus. O proprietário está a pedir 750 euros mensais (incluindo despesas de água e eletricidade) pelo T2 com dois quartos interiores. O chão novo deve esconder os tacos velhos de madeira e as portas pintadas de amarelo clarinho tapam a patine do tempo. Na cozinha com marquise, despensa, esquentador e exaustor, ficam a faltar as máquinas de roupa e de louça, fogão e botija de gás. À primeira impressão, Vanessa exclama: “É cara! Não está equipada… No máximo dou 650 euros. Os atrativos são ter mais espaço do que o meu atual T1 e ter de subir menos escadas.”

Sem pressa, Vanessa anda a ver o que o mercado oferece e já viu de tudo, desde 30 metros quadrados remodelados em Alfama, sem vista e sem luz, por 800 euros mensais a outro apartamento que tinha uma vista minúscula para o rio Tejo e chegavam a pedir 1 200 euros. “As pessoas querem tanto vir morar para estes bairros antigos que aceitam pagar estes valores”, diz Vanessa, que confessa não perceber o fenómeno.

LEIA A REPORTAGEM SOBRE "A LOUCURA DAS RENDAS DE CASA", NA VISÃO DESTA SEMANA, QUINTA FEIRA NAS BANCAS

DISPONÍVEL TAMBÉM: