Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Uma em cada cinco mortes infantis num bairro de Londres deve-se à consaguinidade dos pais

Sociedade

  • 333

Wikimedia Commons

Os números revelados num relatório com dados entre 2008 e 2016 são significativos: Crianças filhas de casais consanguíneos representam 19% das mortes infantis no bairro londrino de Redbridge

Já não é a primeira vez que Londres vive o problema das relações intrafamiliares - em 2009 e 2010, o bairro de Redbridge registou o maior número de casos. Após uma diminuição, os casos voltaram e agora um novo relatório revela consequências preocupantes: Analisados dados entre 2008 e 2016, o relatório apurou que, dos 124 casos observados, uma em cada cinco mortes de crianças em Redbridge estava relacionada com o facto de os pais terem algum grau de parentesco de sangue.

O grupo de trabalho encarregue de analisar a mortalidade infantil no bairro encontrou algumas anomalias cromossómicas, genéticas e congénitas que frequentemente surgem de relações intrafamiliares e concluiu que estas eram a causa de um quinto das mortes infantis.

Vicky Hobart, diretora de saúde pública de Redbridge, argumenta que a consanguinidade é comum em muitas culturas, mas a localidade está desenvolver ações para lidar com essa problemática.

Ao Ilford Recorder, a conselheira e membro do gabinete de crianças e jovens, Elaine Norman, realça que o conselho da cidade sempre trabalhou para reduzir o número de relações de consanguinidade: "É uma área muito sensível, mas estamos a tratar dos casos com cuidado e a ver resultados. Estamos a ir na direção certa."

Entre 2008 e 2016, morreram mais de 200 crianças no bairro. Metade tinham origem asiática, com o número mais elevado a registar-se nas famílias paquistanesas, um grupo que apresentava das maiores taxas de consaguinidade, cerca de 50 por cento.

Os casos perinatais ou neonatais (37%) e as anomalias cromossómicas, genéticas ou congénitas (34%) resultam no aumento das mortes. O difícil acesso aos cuidados de saúde hospitalares é outra das causas de mortalidade infantil apontadas no relatório.