Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Pagaria a um estranho para acabar a relação por si? É que já há uma loja para isso

Sociedade

  • 333

© Tomas Bravo / Reuters

Uma empresa canadiana propõe-se a fazê-lo por si. “The Breakup Shop” tem tido centenas de pedidos para pôr termo a relacionamentos amorosos.

Francisco Perez

Terminar uma Relação não é uma tarefa fácil. Tradicionalmente, implica uma conversa em que o(a) parceiro(a) se poderá sentir menosprezado, seguido de uma situação constrangedora, para além de se sujeitar a um discurso pouco simpático, mesmo que parta com a melhor das intenções. Precisamente para evitar situações incómodas, dois irmãos criaram uma empresa para auxiliarem os que não conseguem fazê-lo sozinhos.

A “The Breakup Shop” foi fundada por Evan e Mackenzie Keast, dois irmãos canadianos, em novembro de 2015. Na altura, Mackenzie namorava com uma rapariga que, de repente, desapareceu da sua vida sem o avisar. Fez “ghosting”, termo aplicado a estas situações.

“Ela deixou de lhe responder aos telefonemas e às mensagens, desapareceu completamente do mapa. Não teve coragem de acabar com ele pessoalmente”, referiu Evan à BBC.

Uma semana depois, os irmãos lançaram a empresa.

O conceito é simples e direto. Acede ao site e escolhe o modo como pretende que acabem a relação por si: via mensagem ou email (custo de sete euros), cartas tradicionais (13€), um telefonema (20€). Pode também usar o “Breakup Gift Pack”, uma caixa que inclui um pacote de bolachas, um vale de 20 euros para gastar no Netflix, uma “carta de apoio” e um filme ou um videojogo (tudo por 53€).

Trevor Meyers foi um dos muitos que recorreu ao serviço. Por mais do que uma vez. “Sinto que é mais fácil que alguém o faça por mim, para evitar uma situação constrangedora. Já usei esta opção para terminar relacionamentos fugazes que não se coadunam com o meu estilo de vida”, disse à BBC.

Desde que a empresa foi lançada, os irmãos terminaram “centenas e centenas” de relações. Evan reconhece que ainda há muitos que não se identificam com a ideia preconizada, mas que as pessoas “vivem na era da comunicação instantânea” e que “tudo é rápido e abrupto, é a forma como as novas gerações comunicam”.

Esta ideia é partilhada por Bernie Hogan, investigador na Universidade de Oxford, que reconhece que o processo de terminar um relacionamento tem evoluído com o tempo.

“As pessoas já não têm contextos com os seus parceiros. Quando conhecem alguém na internet ou por via de uma aplicação desse género, não conhecem amigos dos amigos ou colegas com quem já estavam em contacto. Logo, quando a relação acaba, não existe a complexidade de ter de lidar com os amigos em comum”.

Por essa razão, o “ghosting” pode ser visto como uma forma mais fácil de terminar uma relação, mas o docente acredita que tal “é uma violação dos procedimentos normais”.