Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Há 20 anos, fazia-se história no golfe

Sociedade

Jamie Squire/ Getty Images

Há 20 anos atrás, Tiger Woods derrubava barreira racial e revolucionava o golfe

Evandro Furoni

Nenhuma tacada teve tanta importância na história do golfe quanto a última dada por um jovem de 21 anos no dia 13 de abril de 1997. Há 20 anos, Tiger Woods tornou-se o mais jovem vencedor do Masters de Augusta e o primeiro atleta negro a conquistar um grande torneio de golfe na história.

Woods não só venceu o mais tradicional torneio de golfe dos EUA - ele bateu todos os recordes possíveis. O golfistas acabou 12 tacadas à frente do segundo colocado, além de encerrar a competição com a pontuação de - 18. Ambos os recordes duram até hoje. Era a primeira vez que ele competia no Masters de Augusta como profissional.

A vitória tornou-se um marco contra o racismo no golfe, um dos desportos com a política de segregação racial mais radicais dos EUA. Até 1990, o campo de Augusta proibia a entrada de qualquer sócio afro-americano e exigia que todos os caddies, o responsável por carregar os tacos do golfista, fossem negros.

Clifford Roberts, um dos fundadores do campo, disse certa vez que "enquanto fosse vivo, os golfistas seriam brancos e os caddies seriam negros". Woods, filho de mãe asiática e pai negro, tinha um caddie branco.

O momento em que Tiger Woods vestiu o fato verde dado ao campeão em Augusta deu início à revolução no golfe. O desporto de repente tinha uma figura jovem, carismática e extremamente talentosa para atrair novos interessados.

O golfe chegou a um ápice de 30 milhões de praticantes em 2003, durante o auge do golfista americano. Woods tornou-se um dos atletas mais bem pagos do mundo. O último dia do Masters de Augusta de 1997 foi visto por 44 milhões de pessoas.

Contribuiu para o sucesso a completa dominância de Tiger Woods no desporto. Após a vitória em 1997, ele conquistou o torneio mais três vezes (2001, 2002 e 2005). O golfista ainda conquistou outros dez títulos das principais competições do golfe mundial.

Apesar disso, a década atual não está a ser boa para Woods. Após retirar-se temporariamente do golfe em 2009, momento em que foi divulgado que o atleta mantinha relacionamentos extraconjugais com mais de uma dúzia de mulheres, o golfista nunca mais foi o mesmo. Apesar de ter sido eleito o golfista do ano em 2013, o último grande título de Woods foi em 2008.

Perseguido por dores nas costas, não participou no Aberto de Augusta deste ano, que marcou o aniversário de duas décadas do início do seu legado.

O aparente declínio do maior ídolo do desporto também reflete negativamente no golfe. O número de golfistas caiu em quase seis milhões de praticantes desde o ápice em 2003. Grandes marcas de desporto estão a abandonar suas coleções dedicadas ao golfe. Para combater a crise, o desporto pretende fazer a maior alteração em suas regras nos últimos 30 anos.