Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Voluntários têm mais saúde e arranjam melhores empregos

Sociedade

  • 333

Quem faz voluntariado tem tanta saúde como alguém cinco anos mais novo e consegue encontrar melhores empregos. Portugal foi um dos 29 países que participou neste novo estudo

Mesmo considerando outros determinantes de saúde, como o género, a idade, o nível de educação, o estatuto de migrante, o país de origem ou a crença religiosa, o grupo de investigadores da Universidade de Gante, na Bélgica, verificou que os voluntários têm significativamente mais saúde do que os não-voluntários. Na verdade, têm tanta saúde como alguém cinco anos mais novo e consegue encontrar melhores empregos. Esta é uma das conclusões de um novo estudo, que analisou dados de mais de 40 mil pessoas, espalhadas por 29 países europeus, incluindo Portugal.

Esta relação poderá estar associada indiretamente, segundo explicam, ao salário que os voluntários recebem, já que os dados também revelaram que estes têm um salário mais alto do que os não voluntários.

"Este resultado corrobora investigações anteriores, que mostram que ter atividades de voluntariado no currículo traz maiores oportunidades de emprego, especialmente para os não-nativos", referiu Stijn Baert, um dos autores do estudo publicado, este mês, na revista Plos One.

Para além desta, os investigadores ainda apresentam três outras explicações possíveis para esta relação positiva entre o voluntariado e um melhor estado de saúde. A primeira diz que o voluntariado pode melhorar o acesso a recursos psicológicos (como a autoestima) e sociais (como a integração social e acesso a informação), tendo ambas um impacto positivo na saúde.

A segunda explicação sugere que o voluntariado, ao melhorar a atividade física e cognitiva, pode proteger as pessoas do declínio funcional e da demência quando forem mais velhas. A última hipótese apresentada pelos autores do estudo associa esta relação a uma descoberta neurocientífica, que revela que o voluntariado liberta hormonas como a ocitocina e a progesterona, ambas capazes de regular o stress e a inflamação.