Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"A escola não pode ser uma fábrica de alunos"

Sociedade

Numa altura em que tanto se debate o sentido da escola como a conhecemos, Rui Lima, considerado pela Microsoft um dos professores mais inovadores do mundo fala em "forças de bloqueio à inovação" nas escolas, um mundo onde coexistem "nativos, fugitivos e emigrantes digitais". Excerto do seu livro "A Escola que temos e a Escola que queremos"

Professor e diretor pedagógico do Colégio Monte Flor, em Carnaxide, Rui Lima tem estado envolvido em diversos projetos nacionais e internacionais relacionados com o tema. Considerado em 2011 um dos 18 professores mais inovadores do mundo, segundo a Microsoft, acaba de lançar um livro que promete ser mais uma acha para a já muito acessa discussão em torno da escola na atualidade. Aqui publicamos um excerto do recém-lançado livro "A escola que temos e a escola que queremos".

"A escola não pode ser uma fábrica de alunos

Todos os professores sabem quão difícil é o primeiro dia em que se chega a uma nova escola. Principalmente, quando se trata da primeira escola em que lecionam. Como serão os alunos? Como serão os colegas? Terei as condições adequadas para aplicar as minhas ideias? Todas estas questões ecoam nas suas mentes, gerando alguma ansiedade típica nestas situações.

Quando, em janeiro de 2001, soube que iria substituir uma colega que estava de baixa, senti, por um lado, a ansiedade de ter uma turma sob a minha responsabilidade e o receio, natural, de não corresponder àquilo que se espera de um professor. Por outro lado, uma vontade extraordinária de estar em frente a um grupo de alunos, de partilhar com eles o que sabia, de os desafiar a alcançar os objetivos e, porque não, de aprendermos todos numa fase tão precoce da nossa aprendizagem: eles como alunos, eu como professor.

Por isso mesmo, foi com enorme satisfação que, chegado à primeira escola onde trabalhei, tive o apoio dos colegas que, além de me mostrarem o espaço, me deram informações extremamente úteis sobre o funcionamento da escola e de alguns procedimentos burocráticos que eu desconhecia. Contudo, uma das colegas, no final desse mesmo dia, deu-me também uma sugestão que, ainda hoje, continuo a considerar como um dos momentos mais marcantes da minha carreira como professor. Disse-me: «Nos primeiros tempos, não lhes podes mostrar os dentes!»

Ao ouvir aquela frase, assenti e fingi reconhecer nela um valor que, por mais que tentasse, não conseguia perceber. Por que razão deveria eu criar uma barreira emocional com os alunos? Por que razão deveriam os alunos ter ali, à sua frente, alguém sisudo, distante e que se recusasse a mostrar-lhes os dentes? No primeiro dia de aulas, como é evidente, fiz precisamente o oposto do que me tinha sugerido a colega e procurei fazer com os alunos uma aula tão divertida que nos pusesse a todos a mostrar a «dentadura». Cantámos, contámos histórias, anedotas e até brincámos uns com os outros. Rimo-nos, rimo-nos muito. Creio que até nos rimos de mais. Talvez a colega, na sala ao lado, ao ouvir as nossas gargalhadas, tenha vaticinado o meu fracasso como professor. Mas eu senti-me bem, principalmente, porque foi a primeira vez que decidi fazer algo diferente do habitual, ou seja, arrisquei.

Fazer algo diferente do habitual, «fora da caixa», romper com as práticas fortemente enraizadas nas escolas e no seio da profissão docente é, talvez, um dos maiores desafios que se põem a um professor.

Essa dificuldade explica, de certa forma, o porquê de a Escola se manter inalterada ao longo das últimas duas décadas, aliada às intensas forças de bloqueio à inovação e à escassez de recursos materiais e humanos.

Embora com algumas diferenças de país para país, assistimos à massificação da Escola no início do século XIX, sendo que a forma como esta se organizou e as estratégias aplicadas na sala de aula sofreram muito poucas alterações desde então. O papel de professores e alunos tem-se mantido, praticamente, inalterado. Cabe ao professor transmitir conhecimentos e fazer cumprir a disciplina na sala de aula; ao aluno, receber ensinamentos e respeitar as regras impostas pelo professor. A comunicação ocorre, quase exclusivamente, de modo unidirecional e a interação professor-aluno é praticamente nula, com exceção das habituais perguntas-teste, que permitem ao professor averiguar de que forma os alunos estão a assimilar os conhecimentos transmitidos.

Muitos dos professores com quem tenho trabalhado nos últimos anos, nesta área da inovação pedagógica, quer no âmbito nacional, quer internacional, têm procurado fazer a diferença por meio da execução de abordagens mais centradas no aluno, diferenciadoras do ponto de vista pedagógico, em que o professor procura, acima de tudo, ser um orientador. No entanto, são também eles que mostram alguma frustração por verem que, apesar de o mundo ter sofrido grandes transformações nos últimos cem anos, a Escola permanece quase inalterada desde a revolução industrial, condicionando muitas das práticas que pretendem aplicar nas suas aulas.

A base para o funcionamento das escolas e das salas de aula emergiu do conceito de instrução inerente ao, até então, principal veículo de transmissão de conhecimentos nas sociedades ocidentais — a Igreja. O papel do professor-padre que, tal como na missa, transmite os conhecimentos aos alunos que se encontram à sua frente, dispostos em filas, prontos a receber os ensinamentos que este tem para lhes dar é um retrato fiel daquilo que ocorre ainda hoje, na generalidade das escolas pelo mundo fora.

Outro aspeto determinante para o funcionamento da Escola é o facto de esta ter emergido dos princípios subjacentes ao fordismo e ao taylorismo, da linha de montagem e do conhecimento compartimentado. Assim, uma Escola estratificada — organizada em anos ou ciclos, com os alunos divididos por idades e a seguir um plano de aprendizagem, em que cada disciplina está isolada das restantes — tem-se mantido como o modelo de funcionamento privilegiado nos vários sistemas de ensino. É o conceito de escola-fábrica, no qual os alunos são a matéria-prima moldada e transformada ao longo do percurso escolar.

As escolas continuam a ver os alunos como um produto, que, tal como numa fábrica de automóveis do século XX, entra na linha de montagem, é moldado, transformado, sujeito a diferentes modificações ao longo de um processo que se inicia aos seis anos e, caso o «produto» não apresente qualquer «defeito» que obrigue a uma retenção e consequente repetição do seu processo de (trans)formação, termina ao fim de doze anos, para posterior acesso a uma formação universitária, também ela com pouco relevo do papel do aluno no seu percurso académico.

Em Portugal, a massificação da Escola esteve também associada a um período da nossa História, cujo papel se centrava na transmissão de uma doutrina, sendo que, ao professor cabia, acima de tudo, o papel de grande doutrinador. No contexto político, social e económico vivido no Estado Novo, a função da Escola — tendo em conta os perigos que o conhecimento e o acesso a ideias vindas de fora poderiam pôr em causa a própria ditadura — assentava numa instrução que impusesse «[...] regras de educação moral e cívica tão precisas e tão bem aplicadas que anulassem, na raiz, os virtuais perigos que a leitura e a escrita acarretavam» (Carvalho, 2001). Ou seja, ensinar a ler e a escrever, mas não ensinar a pensar, a questionar ou a procurar novas fontes.

O professor (e também os regentes que se espalharam por várias zonas rurais do nosso território) emergiu, então, como figura de máxima importância num sistema educativo que visava, acima de tudo, transmitir a doutrina do regime e formar cidadãos obedientes e fiéis às suas ideias.

Cabia à Escola preparar as crianças e os jovens para uma vida ativa que, geralmente, se iniciava logo após o término do Ensino Primário, com o Exame da quarta classe e que, salvo raras exceções, conduzia as crianças para o mercado de trabalho ainda em idade precoce. Antes do 25 de abril de 1974, cabia, portanto, à Escola dar as competências básicas: ler, escrever e contar, tantas vezes ainda mencionadas, e com alguma razão, como determinantes no primeiro ciclo dos nossos tempos, formar cidadãos obedientes (com acesso limitado a informação vinda do exterior), que revelassem pouco interesse em procurar novas ideias que poderiam pôr em causa o regime e que se mostrassem minimamente preparados para entrar no mercado de trabalho desempenhando funções, essencialmente, na agricultura, indústria e ofícios.

Mas o mundo nos últimos cem anos, mudou radicalmente, e mudou mais ainda nos últimos vinte anos. A forma como as pessoas comunicam, a forma como as pessoas interagem e acedem à informação, a própria forma como as pessoas usam o cérebro alterou-se para se ajustar a um mundo cada vez mais tecnológico, onde tudo se encontra à distância de um clique e ao qual estamos ligados vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. Qualquer um de nós sabe, por experiência própria, o quão difícil é hoje memorizarmos os números de telefone, até da família e amigos mais chegados. Todos seremos capazes de reconhecer que não é uma sensação agradável aquela que sentimos quando nos apercebemos de que não trazemos o telefone connosco ou quando, sem esperar, ficamos sem acesso à Internet. Os smartphones, neste contexto, elevaram ainda mais a dependência que temos da tecnologia e a necessidade de estarmos constantemente ligados ao mundo.

Nativos, fugitivos e emigrantes digitais

É neste cenário, de um mundo cada vez mais tecnológico, ao qual estamos permanentemente ligados, que os nossos alunos crescem, vivem, comunicam e aprendem diariamente.

Qualquer pessoa que conviva regularmente com crianças, quer em contexto profissional, quer familiar, já presenciou a situações em que bebés ou crianças utilizam dispositivos como smartphones, tablets ou computadores com uma facilidade absolutamente incrível. A sua relação com a tecnologia espanta, não raras vezes, os adultos e por vezes até são estes que solicitam a ajuda dos mais novos para resolverem problemas que não são capazes de ultrapassar.

Em 2014, participei num acontecimento em Atenas, no âmbito da iniciativa da Comissão Europeia E-Skills for Jobs, e uma investigadora de uma universidade cipriota fez uma apresentação muito interessante centrada na tipologia dos vários intervenientes no processo educativo, distinguindo três tipos de pessoas: os Nativos Digitais, os Emigrantes Digitais e os Fugitivos Digitais.

O nativo digital é aquele que nasceu e cresceu rodeado de tecnologia e que tem uma relação natural com ela, fazendo uso da mesma no seu dia a dia e reagindo com facilidade ao processo de inovação e mudança característico dos tempos modernos. É aquele que procura informação online, que «sofre» quando não está «ligado» à rede e que encontra na tecnologia a forma ideal para comunicar com os outros. A generalidade dos nossos alunos enquadra-se nesta tipologia de indivíduo. As crianças e os jovens têm uma relação com a tecnologia quase umbilical e quer a sua forma de agir, quer a própria linguagem mudaram a perspetiva que temos da forma de comunicar com as pessoas. A utilização das redes sociais, a dependência de dispositivos eletrónicos como smartphones, tablets e computadores, a utilização de abreviaturas e emojis (ícones habitualmente usados em chats e SMS) na troca de mensagens, o recurso a realidade aumentada, a facilidade com que se adaptam rapidamente às novas tecnologias e ferramentas são todas características de uma geração que vive em estreita relação com o mundo digital.

Já o Fugitivo Digital é aquele que — apesar de usar a tecnologia no seu quotidiano, essencialmente para comunicar, aceder aos e-mails, consultar alguma informação — se recusa a ver na tecnologia uma ferramenta de trabalho ou de aprendizagem.

O professor Fugitivo Digital pode até reconhecer na tecnologia um valor adicional para a aprendizagem, contudo, o receio de não dominar as ferramentas tão bem quanto os alunos, o medo de transmitir uma imagem de incapacidade ou a simples ideia de que os alunos não vão ver em si uma figura de autoridade e conhecimento levam-no a recusar a utilização da tecnologia na sala de aula.

Por fim, temos o Emigrante Digital, que somos quase todos nós. Todos os que cresceram com acesso limitado à tecnologia, pelo menos a que deu origem aos dispositivos que hoje fazem parte do nosso quotidiano. O Emigrante Digital teve de se adaptar, de uma forma mais ou menos violenta, ao aparecimento de inúmeros dispositivos, gadgets, programas e aplicações sem ter, na maioria dos casos, as competências básicas para uma rápida compreensão do seu funcionamento. Esta dificuldade em se adaptar a uma mudança permanente e rápida às novas tecnologias, às novas formas de comunicar, às novas ferramentas gera em muitos de nós um desconforto e uma natural tendência para resistir a essa mesma mudança. Para um Emigrante Digital, que quando procura compreender como funciona a última versão do sistema operativo do seu computador se vê confrontado com uma nova versão, com novas funcionalidades e até com uma apresentação radicalmente diferente da anterior, o processo de aceitação da mudança não é fácil, sendo frequente recusar o upgrade ou voltar a instalar a versão antiga, pois era aquela com que se sentia mais à vontade. Mas uma das principais características do Emigrante Digital é a sua crescente vontade de aprender, de se adaptar a estas novas ferramentas, mesmo que nem sempre lide de uma forma pacífica com a inovação. Mas tal como o emigrante que vai viver para outro país e procura assimilar alguma da cultura e dos hábitos locais, também o Emigrante Digital procura adaptar-se a um novo mundo, às novas formas de comunicar, às novas formas de aprender e de ensinar.

A relação entre estes três tipos de indivíduos seria, por si só, complexa em qualquer contexto, contudo, na escola, assume-se com mais relevo, na medida em que se trata da formação de crianças que têm como mentores adultos nem sempre conscientes das diferenças existentes entre as gerações e as transformações que o mundo sofreu nos últimos dez, vinte, cinquenta ou cem anos.

É verdade que o conceito de Generation Gap está sempre muito presente no debate sobre a educação e o desenvolvimento das crianças e jovens, não obstante, no contexto global atual, as vivências de uma criança e de um jovem são radicalmente diferentes das dos seus pais e professores, mesmo nos casos em que a diferença de idades seja de apenas vinte anos.

Millennials e Geração Z

Outro conceito relativamente recente que nos pode ser bastante útil para a reflexão sobre a Escola e os vários intervenientes no processo de ensino-aprendizagem é o de Millennials. Os Millennials são as pessoas que atingiram a idade adulta por volta do ano 2000, na viragem do milénio, daí a sua designação. São indivíduos que, como referimos no caso dos Emigrantes Digitais, procuram constantemente adaptar-se a novas ideias, novas ferramentas, a uma nova forma de viver, comunicar e interagir com os outros.

Esta geração, que nasceu após a década de 80 do século XX, tem características bastante peculiares no que toca à forma como se comporta em sociedade, se relaciona com os outros e se interessa pelos aspetos tanto culturais quanto sociais. Os Millennials cresceram numa época em que se deu o boom da televisão e com ela da publicidade, por isso, têm uma atitude crítica em relação à forma como os conteúdos lhes são apresentados. O facto de terem crescido durante a revolução tecnológica faz com que estejam despertos para as novas tecnologias e percebam como podem ser importantes para a sua vida. Contudo, apesar de terem crescido com a Internet e, por isso, serem capazes de se adaptar ao papel central que esta assume nas nossas vidas, os Millennials ainda têm alguma dificuldade em lidar com as recentes inovações que esta rede nos tem trazido nos últimos anos.

Quando falamos da Escola e das potencialidades que a tecnologia nos oferece para enriquecer o processo de ensino-aprendizagem, ainda é difícil, mesmo para os professores mais jovens que se enquadram na faixa etária dos Millennials, compreender a importância da utilização de serviços na nuvem, da programação, da criação e da partilha de conteúdos digitais online, software de colaboração online ou outras ferramentas e estratégias que enriqueçam todo o processo de aprendizagem.

Já os jovens e as crianças em idade escolar, que fazem parte da denominada Geração Z, definida como a que nasceu após o ano 2000, tendem a ter mais facilidade em interiorizar todos estes conceitos.

A experiência que tenho tido nos últimos anos, quer como professor, quer como participante em projetos que envolvem alunos de diferentes contextos geográficos, faixas etárias e níveis de ensino, mostrou-me que os alunos interiorizam com mais facilidade os conceitos acima referidos. Utilizar serviços na nuvem para partilha de documentos, trabalho colaborativo ou comunicação entre pares é, para os alunos, extremamente intuitivo, de fácil compreensão e rapidamente assimilado, com vista à valorização do seu próprio processo de aprendizagem.

Todavia, o que distingue os Millennials e a Geração Z das gerações que lhes precederam é, essencialmente, a forma como comunicam, interagem e sociabilizam. Os últimos dez anos trouxeram-nos um mundo cada vez mais global, cujo fluxo de informação circula a uma velocidade alucinante e ao qual o ser humano passou a estar ligado à distância de um clique ou, mais recentemente, de um toque no ecrã. As relações passaram a situar-se num plano real, mas também num plano virtual. As próprias relações laborais se viram alteradas, havendo um número cada vez maior de pessoas a trabalhar de casa ou de qualquer outro espaço físico que não um escritório.

Se olharmos para o mercado de trabalho de há dez anos, em comparação com o de hoje, facilmente veremos que há um crescente número de empregos que não existiam e que hoje são profissões em ascensão. Falamos, essencialmente, de empregos na área das novas tecnologias, da programação, dos serviços na nuvem e de gestão de redes. Estima-se que muitos dos empregos que os nossos filhos terão ainda não existam à data. Como tal, é essencial prepará-los para um mundo em constante mudança, no qual a comunicação assuma formas distintas das que temos hoje, um mundo cada vez mais tecnológico ao serviço das pessoas, caracterizado por uma maior flexibilização do mercado de trabalho, dos ambientes laborais e da forma como cada indivíduo desempenha as suas funções.

O mundo mudou bastante nos últimos vinte anos, mas acreditamos que mudará ainda mais nos próximos vinte. Contudo, a Escola alterou-se muito pouco nos últimos cento e cinquenta anos, quer na sua organização, quer na forma como ocorrem as interações em contexto de aprendizagem.

Partindo desta ideia e de que os professores são, essencialmente, Emigrantes ou Fugitivos Digitais, a contrastar com os alunos Nativos Digitais, podemos recorrer às palavras de José Pacheco, um dos fundadores da Escola da Ponte que, numa entrevista ao Observador, em abril de 2016, defendia que «As escolas têm excelentes professores, mas a trabalhar do modo errado. Não faz sentido alunos do século XXI terem professores do século XX, com propostas teóricas do século XIX, da Revolução Industrial». É precisamente este um dos problemas que a Escola enfrenta, tendo em conta os diferentes conceitos que os vários intervenientes no processo educativo têm do modo de funcionamento das instituições, das abordagens pedagógicas a aplicar nas salas de aula, do processo de aprendizagem e dos papéis dos vários atores na relação pedagógica.

A Escola não pode continuar a ser uma mera fábrica de alunos, onde estes entram aos seis anos, são submetidos a modelos pedagógicos centrados nos conteúdos e no professor, testados e examinados ao fim de um percurso académico uniforme e, passado pouco mais de um decénio e meio, esperarmos que estejam preparados para um mundo completamente diferente daquele que viveram nas escolas e nas salas de aula.

Está na hora de olhar para o futuro e de procurar mudar a forma como preparamos os alunos para um mundo cada vez mais exigente e desafiador da criatividade, do pensamento crítico, da colaboração e da utilização de um elevado número de ferramentas tecnológicas para comunicar, aprender e executar tarefas."

A escola que temos e a escola que queremos - O que se passa com a Educação? Um olhar sobre as principais preocupações de pais, alunos e profesores, Rui Lima, Manuscrito