Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Célebre experiência sobre obediência foi repetida e os resultados são impressioantes

Sociedade

  • 333

Mais de 50 anos depois de uma experiência que pretendia explicar o nazismo, uma réplica mostra que continuamos a ser tão obedientes à autoridade que estamos dispostos a eletrocutar outras pessoas só porque nos mandam fazê-lo

Realizada nos anos 60 do século passado, a experiência do psicólogo Stanley Milgram propôs-se perceber se os participantes aceitariam dar choques elétricos a outras pessoas se fossem encorajados a fazê-lo. Apesar de não haver, na realidade, qualquer choque elétrico, os participantes estavam convencidos que sim e podiam até ouvir os gritos das suas supostas vítimas.

Na altura, Milgram queria perceber até que ponto pessoas comuns podiam ser levadas a cometer atrocidades, como as cometidas durante a II Guerra Mundial. Para isso, os 40 voluntários eram postos no papel de um professor, com instruções para aplicar choques elétricos a um aluno (ator), caso este falhasse num teste de memorização de palavras. Por cada erro, um choque, cada vez mais forte, de 15 a 450 volts. O "aluno" errava na maioria das vezes e quando o professor se recusava a aplicar o choque, o orientador da experiência repetia frases de estímulo que começam com um "por favor, continue" e iam até "não tem outra escolha senão continuar". Se o participante continuasse a recusar fazê-lo, a experiência terminava ali... mas 65% dos voluntários continuou até à voltagem mais elevada e todos prosseguiram até aos 300 volts, mesmo ouvindo os gritos do aluno.

A experiência de Milgram foi agora parcialmente recriada e concluiu que não mudámos muito no último meio século e continuamos dispostos a aplicar choques elétricos potencialmente fatais a outras pessoas só porque nos mandam fazê-lo.

"Quando ouvem falar da experiências de Milgram, uma grande maioria das pessoas diz 'eu nunca agiria daquela forma'. Mas o nosso estudo, mais uma vez, ilustrou o tremendo poder da situação com que os sujeitos são confrontados e a facilidade com que concordam com coisas que consideram desagradáveis", afirma Tomasz Grzyb, um dos psicólogos envolvidos na nova investigação.

A experiência foi levada a cabo na Universidade de Ciências Sociais e Humanidades da Polónia e publicada no Social Psychological and Personality Science.

"O nosso objetivo era ver que nível de obediência encontraríamos entre os residentes na Polónia", escrevem os autores, realçando que a história da Europa Central tornou a questão da obediência "exececionalmente interessante".

Para a experiência, que não pode reproduzir totalmente a de Milgram por razões éticas, a equipa de investigadores recrutou 80 participantes, homens e mulheres, entre os 18 e os 69 anos. Cada um tinha à sua frente 10 botões, correspondendo a um nível de choque elétrico. Cerca de 90% das pessoas mostraram-se dispostas a ir até à voltagem mais elevada, com os investigadores a notarem apenas algumas reticências quando os participantes acreditavam que estavam a dar choques elétricos a uma mulher.

"Meio século depois da investigação de Milgram sobre a obediência à autoridade, uma maioria impressionante de pessoas continua disposta a eletrocutar indivíduos inocentes", conclui Grzyb.