Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

No Dia da Mulher, como andam afinal os homens?

Sociedade

  • 333

No Dia Internacional da Mulher, pode parecer estranho falar-se de um livro sobre os homens. Mas há um motivo, como explica a professora que coordenou um estudo sobre a igualdade de género em Portugal

“É um assunto que incomoda muitos”, garante Karin Wall, investigadora da Universidade de Lisboa. No Dia Internacional da Mulher, pode parecer estranho falar-se de um livro sobre os homens. Mas há um motivo, como explica a professora que coordenou um estudo sobre a igualdade de género em Portugal, apresentado esta terça-feira.

Chama-se Livro Branco - Homens e Igualdade de Género em Portugal e quer mostrar como o papel dos homens na sociedade se tem transformado a par e passo com o das mulheres. Branco porque não quer só reunir informação e estatísticas, mas também propor soluções que possam ser ouvidas a nível das agendas públicas.

Num mundo em que se luta pelos direitos das mulheres, porquê afinal estudar o lado dos homens? É simples, como esclarece Karin Wall, do Instituto de Ciências Sociais, à VISÃO. “Neste momento, para fazermos avançar a igualdade de género, temos de olhar para ela do ponto de vista de mulheres e homens. Porque ambos podem beneficiar dela”. O livro, que se foca em áreas tão diferentes como a saúde, a educação ou o mercado de trabalho (sempre por uma perspetiva masculina) quer assim trazer à luz “avanços, bloqueios e novas desigualdades” na igualdade de género.

O progresso tem-se feito em paralelo, com homens e mulheres a misturarem cada vez mais os papéis que representam. Se, por um lado, as mulheres têm uma taxa de atividade quase tão elevada como a dos homens e já não estão em desvantagem na educação, por outro, os homens cuidam cada vez mais dos filhos. “Há uma masculinidade cuidadora que começa a ser muito bem aceite, tanto pelas famílias como pela sociedade”, assegura Karin Wall. Ou seja, o pai fica em casa enquanto a mãe vai trabalhar (em 2015, foram 71% os homens que gozaram da licença parental exclusiva, de 10 dias úteis).

E não só: as tarefas domésticas são cada vez mais partilhadas. Mas atenção, há uma desvantagem - agora, homens e mulheres têm de gerir por igual o stress que surge de equilibrar as vidas doméstica e profissional. Acha que não é bem assim? Talvez tenha alguma razão. A investigadora aponta que o avanço ainda não se fez sentir com peso em tarefas como as compras ou a limpeza da roupa.

É diferente nos países do Norte, afirma Wall. A professora, que se coordenou com a Universidade Autónoma de Madrid e a Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, conclui que embora o “país irmão” tenha hábitos semelhantes aos nossos, os noruegueses fomentam mais a participação doméstica dos homens.

Para o estudo, a equipa de Wall consultou membros do Governo e da sociedade civil. Ouviram-se associações governamentais e não-governamentais, empresas, centrais sindicais e toda a esfera política - houve uma audição parlamentar de membros da investigação com representantes de todos os partidos. O livro, fruto de dois anos de trabalho, foi ontem lançado na Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, em Lisboa. Esteve presente Miguel Cabrita, Secretário de Estado do Emprego.

Mas segundo a professora também existem novas desigualdades. Observam-se, por exemplo, nas escolas de vários países, onde os rapazes estão cada vez mais em desvantagem num sistema de ensino não só dominado por educadoras (já que o ensino ainda tem o rótulo de profissão feminina) mas também desenhado de um modo que favorece as raparigas, geralmente mais calmas e estudiosas. “Há uma cultura escolar muito feminina”, explica Wall.

A longo prazo, os homens saem prejudicados, por terem menos rendimento escolar e, por isso, menos capacidades no mercado de trabalho. Situação duplamente preocupante devido à passagem “para uma economia virada para o conhecimento, tecnologia e serviços, onde estes homens estão cada vez mais sujeitos ao desemprego e à precariedade”.

Não foram deixados de parte os problemas da mulher: no final de contas, continuam a verificar-se a baixa participação de mulheres em lugares de chefia e a diferença salarial da mulher para os homem (que, em Portugal, se situa entre os 10 e 15%). E os homens continuam mais propensos a comportamentos de risco, como a violência, o consumo de álcool e a menor prevenção de saúde.

Seja em que área for, o papel do homem aproxima-se do da mulher, e vice-versa. Sobra pouco espaço para os dogmas antigos sobre o género. “Se queremos novas masculinidades, e uma masculinidade diferente, temos de olhar para todas as áreas”, garante Karin Wall.

(Artigo de Miguel Rebocho Pais)