Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Memória coletiva nacional no novo Arquivo Digital da RTP

Sociedade

No dia em que completa 60 anos, a estação pública de televisão abre os seus arquivos ao público com acesso gratuito. Até 2018, esperam ter entre 50 mil e 70 mil novos conteúdos disponíveis

Já há mais de uma década que a RTP deu início à preservação do seu arquivo audiovisual. Com os primórdios em filme, começaram a migrar para digital (primeiro para videocassete e só depois para ficheiros), os arquivos de rádio e televisão, desde 1936. Este Arquivo Digital que se abre ao público em dia de aniversário, é a fase final desse processo. “Estamos permanentemente a migrar de suporte, para ele se manter acessível, e a catalogar. Este site é o topo de todo o processo, com o acesso público gratuito”, explica Eládio Lopes, responsável pelo projeto, funcionário da RTP há mais de 30 anos e ligado ao arquivo há 17. Todos os suportes físicos obsoletos já estavam transferidos numa primeira fase para videocassetes digitais e, desde 2007, para ficheiros. Uma equipa de cerca de cinquenta pessoas trabalha na catalogação, indexação dos conteúdos, área técnica de restauro e acesso ao site. Especialmente dedicadas a este Arquivo Digital estão quatro e seis pessoas.

Este é um arquivo atualizado, “estamos em linha com o que de melhor se faz na Europa. Outras estações televisivas estrangeiras disponibilizam apenas algumas coleções especiais, mas não tudo desta forma”, acrescenta Eládio Lopes. Para já são 6 500 os conteúdos para pesquisa, cuja seleção obedeceu a alguns critérios. “Em termos informativos, olhando primeiro para os momentos mais marcantes da nossa história, tentámos fazer uma seleção relevante, que criasse logo de início uma experiência rica. Desde 1936 até hoje escolhemos conteúdos informativos que refletissem o melhor possível a memória coletiva mais recente”, descreve Eládio Lopes. “Há razões históricas para alguns conteúdos das décadas 1950 até 1970 não terem som, por exemplo. Até ao aparecimento da videotape e da câmara de reportagem, em finais da década de 70 do século passado, os noticiários eram lidos em diretos, não havia gravação. O que existe é a reportagem que era feita em filme.”

Já para a área de programas, selecionaram cerca de 50 séries, que foram as mais emblemáticas na história da RTP, desde O Tal Canal, Conversas em Família ou as primeiras telenovelas. Já no futebol, por exemplo, vamos encontrar apenas alguns resumos de jogos importantes. A pesquisa faz-se por Conteúdos, Coleções, Programas e Serviços e dentro de cada um existe uma seleção de Temas e Tipos para escolher. Tudo pode ser consultado e visto vezes sem conta no site, já a sua utilização para fins comerciais obedece a outras regras e pagamentos. Qualquer pessoa que queira comprar uma cópia de um programa para utilização privada e doméstica pagará um euro por minuto de conteúdo, enquanto a utilização comercial pode ir desde €300 por minuto para Portugal até €1 600 por minuto para o mundo inteiro.