Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Não basta ser líder, é preciso parecê-lo

Sociedade

  • 333

Reuters

Como é que um líder se deve comportar ao nível da linguagem corporal? O recém-lançado livro "Os segredos que o nosso corpo revela", de Alexandre Monteiro mostra o que devem (e o que não devem) fazer os que ocupam posições de liderança

"Qual é a relação entre a liderança e a linguagem corporal? Emitimos sempre sinais. Na maior parte do tempo nem reparamos nos sinais que adotamos mediante as diversas situações, em certos gestos e posturas que nos denunciam de uma forma óbvia", escreve o autor no capítulo dedicado às relações profissionais.

Alexandre Monteiro, que se assume como especialista em "decifrar pessoas" e faz palestras e aconselhamento sobre o tema, descreve a liderança como "a arte de comandar e influenciar de forma positiva o modo de pensar e os comportamentos das pessoas", garante que a linguagem corporal tem um papel crucial, ao ponto de defender que "não basta ser um um bom líder, é preciso parecê-lo".

Recordando que "estamos constantemente a ser avaliados pelos outros", o autor apresenta uma séria de "movimentos e gestos mais característicos dos líderes e outros mais característicos dos seguidores", que aqui reproduzimos:

É líder ou liderado?

Quais os gestos e movimentos que adota com mais frequência durante o dia e em que situações?

Se:

• tem posturas fechadas (braços e/ou pernas cruzados)

• tem mãos nos bolsos ou não visíveis

• faz fraco contacto visual

• se senta atrás em apresentações ou reuniões

• põe as mãos à frente dos genitais ou inclina a cabeça para o lado (a maior parte do tempo quando ouve)

• em eventos, festas ou encontros de networking tem por hábito estar perto de portas, ir para o canto da sala ou encostar-se às paredes...

Então tem uma maior tendência para ser o liderado nessa situação específica.

Se:

• anda à frente do grupo

• ocupa mais espaço (tem posturas abertas)

• faz um bom contacto visual (não confundir com o contacto visual intrusivo e excessivo, esse não é de líder)

• faz mais gestos e movimentos de poder (movimentos calmos e suaves, fala com as palmas das mãos para baixo e com os pés afastados)

• ocupa a maior parte das vezes a posição central em fotografias de grupo

• tem uma maior tendência para colocar a mão nos ombros dos outros...

Então tem uma maior tendência para ser o líder nessa situação específica.

Sinais de uma liderança menos poderosa

Embora existam muitos indicadores, os seguintes são alguns dos mais comuns de uma liderança menos poderosa.

1. Andar cabisbaixo

Postura encolhida, andar com a cabeça baixa, olhar para o chão e com o queixo caído.

Solução: Postura direita, ao caminhar deve olhar em frente e o queixo tem de ficar na horizontal, se o elevar demasiado irá parecer arrogante.

2. Não olhar olhos nos olhos

• Quando não olha nos olhos, as pessoas têm tendência a desconfiar de si e a vê-lo como uma pessoa com fraca liderança, tímida e menos competente.

Solução: Ao falar mantemos, em média, o contacto visual entre 40% e 60% do tempo, e ao ouvir uma média de 80%. Uma pesquisa demonstrou que, para estabelecer um bom entendimento e a aprovação dos outros, é preciso que o contacto visual seja de 60% a 70% do tempo. As pessoas que mantêm uma média de 70% tendem a conseguir com mais facilidade uma imagem de confiança e de elevada liderança.

3. Não aceitar elogios

«Não! Não foi nada de especial!» Responder a um elogio com uma declaração de negação acompanhada com o sinal «não» da cabeça é outro sinal de fraca liderança.

Solução: Quando se sente realmente bem consigo mesmo, aceita o elogio com apreço e de uma forma natural, sorrindo.

4. Pedir desculpas em excesso

Pede desculpa muitas vezes? Geralmente, este pedido de desculpas é acompanhado pelo gesto de mãos dadas e de um baixar de cabeça repetitivo.

Solução: Desculpe-se quando for mesmo necessário e, ao fazê-lo, adote uma postura direita e um bom contacto visual.

5. Vitimizar

Frases ditas com um tom de voz fraco e a soar a queixa, como «Como sou burro!»; «Estúpido!»; «Tive muita sorte!»; «Acontece-me sempre a mim!».

Solução: Fale num tom de voz firme, calmo. Não grite, porque gritar revela falta de controlo, nem use os sinais «huummm!» ou «haaaam!» ao falar, pois será percebido como menos confiante e credível.

6. Não socializar (medo)

Isolamento, fuga ao contacto social, não se foca no que está a ser dito, fala baixo e devagar, movimentos lentos, braços e pernas cruzados. Tem medo de não ser aceite, quer passar despercebido.

Braços e pernas cruzados dão uma imagem de medo, falta de confiança, desinteresse, aborrecimento e tédio.

Solução: A observação da direção dos pés e do umbigo é o método mais fácil para descobrir onde está o interesse de uma pessoa. Quando os pés e o umbigo estão virados numa determinada direção, é um claro indicador de interesse. Logo, quando detetar esta postura, esteja à vontade para conversar e socializar, está a ser aceite. As posturas abertas, com braços abertos e pernas um pouco afastadas, ajudam a obter uma avaliação melhor por parte das outras pessoas, emitindo assim uma imagem de confiança, autoridade e competência.

7. Reação exagerada às críticas (raiva e/ou nervosismo)

Quanto mais fraca é a sua liderança, mais inseguro se sente.

Quanto mais inseguro se sente, pior irá reagir às críticas que as outras pessoas lhe dirigem. Esta má reação vai refletir-se no corpo através de certos movimentos, como o acariciar a nuca, lábios pressionados, falar rápido, gritar, acusar, olhar fixo, sobrancelhas baixas, testa franzida, narinas abertas, rosto vermelho, repetição de frases, apontar o dedo, punhos fechados ou roer unhas.

Solução: Quando for confrontado com as críticas, deve colocar a mão no queixo como se estivesse a avaliar, irá parecer mais sábio e confiante.

8. Aparência descuidada/excesso de acessórios

A roupa que veste, como usa os objetos e o tipo de acessórios que usa dizem muito sobre si. Estes sinais funcionam como uma extensão do corpo, têm muito valor na interpretação. Colocar muitas joias, exagerar no perfume ou na maquilhagem ou, pelo contrário) a falta de higiene e a aparência descuidada são sinais de chamada de atenção e de fraca liderança)

Solução: Aparência cuidada e limpa, cabelo arranjado, roupa limpa, sapatos cuidados e limpos, perfume suave, não exagerar nos acessórios como colares, brincos e pulseiras.

9. Ser submisso

Tocar muito na cara, tapar a boca ou a cara, pouco contacto visual, riso nervoso, concordar sempre acenando com a cabeça, baixar a cabeça, poucos gestos, posturas fechadas, falar de pés juntos, segurar uma pasta ou uma mala à frente do peito e encolher ombros. Este tipo de movimentos, roer as unhas, mexer no cabelo, ter uma caneta na mão e estar constantemente a fazer o clique, pegar em clipes, bater com os dedos ou com os pés, brincar com elásticos, mexer nos anéis ou botões, é indicador de nervosismo e falta de controlo, além de irritar e distrair as pessoas com quem estamos a interagir, diminui em muito as nossas possibilidades de sucesso. É importante evitar este tipo de movimentos.

Solução: Postura direita, tronco inclinado para a frente, queixo na horizontal, bom contacto visual, não colocar objetos à frente do peito, pés ligeiramente afastados, não cruzar os braços ou as pernas e sorrir.

10. Má postura

Postura curvada e ombros descaídos sinalizam falta de liderança ou falta de confiança, tal como quando se senta na ponta da cadeira ou demasiado relaxado pode transmitir falta de compromisso.

Solução: A postura é também uma forma de transmitir o nosso estado mental. Se estamos chateados, temos uma postura caída, mas se estamos alegres, todo o corpo desafia a gravidade. Tenha uma postura o mais direita possível e faça mais gestos que desafiem a gravidade, como sorrir.

11. Aperto de mão fraco

O aperto de mão normalmente é o primeiro contacto físico entre duas pessoas. Um aperto de mão fraco pode indicar a falta de três características fundamentais às interações humanas: confiança, ligação e credibilidade. Por outro lado, um aperto de mão muito apertado pode indicar agressividade e necessidade de afirmação.

Solução: Faça um aperto de mão firme e com a mão na vertical.

12. Mãos nos bolsos

Colocar as mãos nos bolsos é percebido como uma procura de conforto. Este gesto fá-lo parecer inseguro.

Solução: Evite colocar as mãos nos bolsos. Quando interage com os outros, é preferível cruzar os braços com pelo menos um dos polegares visível.

13. Andar rápido

Andar rápido transmite uma imagem de desorganização, desespero e insegurança.

Solução: Não ande nem devagar nem depressa, ambas as maneiras são prejudiciais para a sua imagem. Ande descontraído e direito.

Para liderar terá de dominar

A relação domínio-submissão é a responsável por definir como irão decorrer as interações entre duas ou mais pessoas, e não ser percebido como dominante vai dificultar em muito a sua imagem de liderança, pois associamos os comportamentos de domínio à capacidade de liderança. Dominar não é ser autoritário ou ditador, tal como submisso não é ser escravo ou fraco, é somente a posição que ocupa numa determinada situação ou contexto; esta posição irá determinar o grau de influência que exerce e qual o seu poder de decisão. Poderá ser dominante na sua empresa, no sentido de liderar, orientar e controlar os recursos humanos, e ser mais submisso em contexto social junto dos amigos.

Existem situações em que terá obrigatoriamente de ser dominante, como em cargos de liderança, negociações ou ao ser o promovido. Noutro tipo de situações terá de emitir mais sinais de submissão e exercer o domínio subliminar, como em entrevistas de trabalho, reuniões com chefias, clientes mais dominantes e difíceis ou quando chega a um novo grupo de amigos.

Logo que começa uma interação, os sinais começam a ser emitidos por todos os intervenientes de forma a dominarem ou a reconhecerem a submissão. É aqui que tem de estar muito atento aos sinais que cada um emite, aprender a interpretá-los e usá-los de forma a influenciar melhor o outro ou a adaptar a estratégia.

Os Segredos que o Nosso Corpo Revela - Manual prático de linguagem corporal para decifrar gestos, expressões, sinais e detetar mentiras, Alexandre Monteiro, Manuscrito