Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Enjoa a andar de carro? Este artigo é para si

Sociedade

© Kim Kyung Hoon / Reuters

Descubra como evitar os enjoos das viagens de carro quando não tem medicação consigo. São várias as opções e todas elas livres de efeitos secundários

RECORDE:

Enjoa ao ler num carro em movimento? Isso é porque o seu cérebro pensa que foi envenenado

Náuseas, suores frios, dores de cabeça, vómitos e tonturas são alguns dos sintomas do viajante e, muitas vezes, nem é preciso passar muitas horas a andar de carro ou autocarro para eles se fazerem sentir.

Embora possa acontecer em vários meios de transporte, este problema - que apesar de simples causa um grande desconforto, - é mais comum nos rodoviários.

De acordo com os especialistas, um terço dos que fazem viagens de longo curso de autocarro, experienciam enjoos, uma resposta do corpo às duas informações diferentes que chegam ao cérebro ao mesmo tempo: a de que está sentado e parado mas também em movimento.

Em alternativa aos medicamentos, alguns estudos levados a cabo nesta matéria têm apresentado opções como a ingestão de gengibre ou o uso das pulseiras de acupressão, que funcionam com base nas técnicas de medicina tradicional chinesa. Estas soluções não reúnem, claro, consenso na comunidade cientifica e são vistas por alguns especialistas como não mais que placebos.

Mas há vários comportamentos que podem ser particularmente úteis para evitar o enjoo das viagens:

- Olhar para um ponto fixo no horizonte

- Mover o mínimo possível a cabeça

- Evite ler (seja e papel ou num qualquer dispositivo móvel)

- Ouvir musica, que serve como distração

- Tentar controlar a respiração

No programa da BBC, Trust Me, I'm a Doctor, alguns dos elementos da plateia foram desafiados a experimentar um exercício de controlo da respiração que passou por colocar os participantes numa cadeira que simulava o movimento como num carro em andamento e cada vez mais rápido. O controlo da respiração revelou-se eficaz nesta experiência,o que vai ao encontro dos estudos em laboratório que apontam para 50% de efetividade da técnica. A base da ideia é a de que se o vómito evita a respiração também pode funcionar de forma inversa, usando a respiração para evitar o vómito.

Como controlar a respiração

- Concentre-se e procure um ritmo respiratório calmo e natural

- Não hiperventile nem respire mais profundamente do que o normal

- Treine olhando para uma parede branca, por exemplo: sente-se e respire em séries de 10 ou 15 minutos, ouça o seu ritmo respiratório e tente identificá-lo. Uma vez identificado, passe mais 10 minutos a controlá-lo para o manter. Se conseguir adaptar esta técnica a situações em que pode ter tonturas ou enjoos deve funcionar de forma preventiva.