Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

E se a internet parasse por um dia?

Sociedade

  • 333

© Fabrizio Bensch / Reuters

Um estudo recente tentou perceber quais seriam os efeitos de se estar offline durante umas horas, pelo menos uma vez por mês. Os resultados podem surpreender muita gente

Esqueçamos por momentos a macroeconomia e os problemas logísticos. Centremo-nos nos efeitos psicológicos e na produtividade. E comecemos pelas más notícias para acabar com um sorriso.

O mensageiro é Jeff Hancock, professor na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, e investigador na área dos processos psicológicos e sociais envolvidos na comunicação online. Diz ele que ficar sem internet durante um tempo indeterminado pode provocar ansiedade e sensação de isolamento. “Quase tudo na internet está pensado com um objetivo: permitir que comuniquemos uns com os outros”, lembrou, à BBC.

Como nos habituámos à possibilidade de contactar alguém em qualquer lugar e a qualquer hora, é perturbador não o poder fazer. “Eu sei qual é a sensação porque quando me apercebo de que me esqueci do meu smartphone sinto-me ligeiramente nu”, admite Scott Borg, diretor da United States Cyber Consequences Unit (US-CCU), uma organização não-governamental especializada em ciber segurança. “De repente, tenho de pensar: 'Será que sei para onde estou a ir? E se o meu carro se estraga, conseguirei convencer alguém a deixar-me usar o seu telefone para pedir ajuda?'.”

Nem tudo é mau, no entanto. Segundo um estudo realizado pela US-CCU, estar sem internet algum tempo pode aumentar a produtividade. “Até sugerimos, na brincadeira, que se cada empresa desligasse os computadores durante umas horas todos os meses, e pedisse às pessoas para fazerem as tarefas que estão sempre a adiar, haveria um benefício produtivo global”, contou Scott Borg à BBC.

Os investigadores da ONG analisaram o que acontecia quando uma empresa ficava acidentalmente sem internet durante quatro horas ou mais. E concluíram que os trabalhadores não ficavam a olhar para o ar; pelo contrário, punham-se a fazer coisas que habitualmente adiavam, como tratar da papelada acumulada em cima das secretárias. “Não vejo razão para que isso não se aplique basicamente a toda a economia.”