Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Já existe o Tinder dos foodies, para que ninguém coma sozinho

Sociedade

Quer vir jantar comigo? Há uma app que nos põe em contacto. A Food Friends foi criada em Palma de Maiorca, mas é em Lisboa que está a fazer mais sucesso - já tem mais de cinco mil foodies nacionais a ajudar quem estiver perdido e sozinho a ter uma experiência gastronómica positiva

Jan Marks, 55 anos, co-fundador da aplicação

Jan Marks, 55 anos, co-fundador da aplicação

Basta abrir a Food Friends, carregar em cima do seu nome para se saber que Jan Marks, 55 anos, se apresenta como o co-fundador da aplicação, um food-lover (amante de comida) e um gestor criativo. Por ali em diante, descobre-se que gosta de comida asiática, de fusão, italiana, mediterrânea, mexicana e portuguesa. E que nos seus tempos livres, corre, vai ao cinema e ao teatro, cozinha, ouve jazz, e, claro, janta fora.

Nem podia ser de outra forma. Ou não fora ele que, há dois anos, teve a ideia de criar uma aplicação que o ajudasse nas suas frequentes viagens profissionais e nas refeições que fazia nos países que visitava enquanto consultor - quase sempre más e sem companhia.

E depois de falar com amigos percebeu que a sua invenção iria ser bem acolhida, pois todos se lembravam que as melhores refeições das suas vidas tinham sido com boa gente à mesa.

Se iria ser uma espécie de Tinder? "Isso depende do uso que dela se faz", responde a partir de sua casa, em Palma de Maiorca. "Abre-se a aplicação, procura-se uma pessoa que tenha interesses coincidentes com os nossos e depois clica-se na barra Vamos Comer Juntos! E depois entra-se num chat com essa pessoa ou com um grupo, consoante o que se escolheu", explica. "É uma boa maneira de nos relacionarmos, sem o sentimento de dating do Tinder." Porque é tudo em nome de uma boa refeição. O que vier depois, se vier, será brinde.

O alemão Jan lançou a app no ano passado na terra onde agora vive. Mas depois veio à Web Summit, em Lisboa, foi entrevistado pela NIT, e passou a ter muito mais foodies disponíveis em Lisboa (cerca de 5 mil) do que em Palma de Maiorca (pouco mais do que mil). É para cá que viaja todas as semanas e até já anda a recrutar comerciais portugueses para o ajudarem a vender a ideia junto dos restaurantes lisboetas - no futuro eles pagarão um fee para estarem na aplicação e será assim que a Food Friends se financiará. Por enquanto, é tudo de graça e a lista de sítios tem vindo a crescer, acompanhando a ainda curta história da aplicação. Todos os contributos são bem-vindos, especialmente de pessoas para quem uma refeição se deve fazer em boa companhia.