Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

E se Beckham afinal não for assim tão bonzinho?

Sociedade

  • 333

© Andrew Kelly / Reuters

Emails pirateados ao ex-capitão do futebol inglês mostram imagem bem diferente: para fazer as habituais campanhas de solidariedade, o embaixador da Unicef exigia viagens em primeira classe e pagamentos extra

Nem um pedido ao tribunal conseguiu impedir a publicação de uma série de emails em que o ex-futebolista David Beckham revela uma faceta bem diferente da imagem pública de bem-comportado. Nas mensagens, a que um consórcio europeu de jornalistas teve acesso, é assumido o ataque de fúria de Beckham por não ter sido nomeado Sir, em 2013, e ainda como não gostou que lhe tivessem pedido um donativo considerável para a Unicef, da qual é embaixador da boa vontade. Em troca, terá considerado exigir viagens em primeira classe. Há ainda, segundo o diário britânico The Guardian, referências a formas ilícitas de escapar ao pagamento de impostos.

Sabe-se ainda que, chantageado a pagar um milhão de euros para que aquelas mensagens fossem apagadas, o ex-jogador se recusou a fazê-lo. Desde 2015 que os seus representantes sabiam que a conta de emails tinha sido pirateada. Segundo explica o Telegraph, os hackers conseguiram aceder aos milhares de mensagens e outros documentos da agência de Simon Oliveira – a Doyen Sports, que representa o jogador – através de servidores russos. A investigação, acrescenta a imprensa inglesa, estão também a decorrer em Portugal, onde a empresa tem um escritório, e já dura há mais de um ano.

Foi em dezembro que entrou um pedido na justiça inglesa a solicitar o impedimento da publicação daqueles emals pelo britânico Sunday Times, o que foi conseguido numa primeira fase. Mas, no passado fim de semana, alguns dos meios do EIC (European Investigative Consortium) - como a revista alemã Der Spiegel e o jornal francês L'equipe - avançaram com as primeiras notícias sobre o caso.

Escusando-se a comentar o conteúdo das mensagens, a Unicef saiu já em defesa do seu embaixador. Segundo um comunicado publicado no seu site, escusa-se a comentar o conteúdo dos emails porque não os leu e não sabe do que tratam. Ali se descreve ainda Beckham como alguém que deu "generosamente o seu tempo, energia e apoio para apoiar o trabalho da Unicef com crianças" tendo ainda ajudado a "arrecadar fundos", disponibilizando a sua fortuna pessoal.

Já o jogador, de 41 anos e embaixador da agência das nações unidas para as crianças desde 2005, tem-se mantido em silêncio. Por enquanto houve apenas declarações de um seu porta-voz, feitas ao canal da BBC Newsbeat, especificando que o teor das mensagens agora divulgado é antigo e está fora de contexto.