Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

6 argumentos científicos para escolher uma dieta vegana

Sociedade

Melhora o odor corporal e a performance sexual. Descubra outras vantagens que a ciência associa ao veganismo

Se janeiro é o mês das resoluções, das dietas e das boas intenções, aproveitemos a onda e falemos da dieta vegana, que deve ser seguida com muitas precauções, mas que traz consigo várias vantagens. Relativamente à diferença entre veganismo e vegetarianismo importa apenas saber que nenhum dos dois come carne animal, mas os veganos também não comem produtos de origem animal, como os ovos, leite ou derivados.

Cada vez mais popular, a dieta vegan vai ganhando expressão na internet, entre os chefs de cozinha e, curiosamente, até entre desportistas como Serena Williams ou Mike Tyson.

Conheça as 6 vantagens - cientificamente provadas - de ser vegano:

1 - Ajuda a perder peso

E não é difícil perceber porquê! Mas, se duvidas houvesse, a ciência confirma: num estudo de 2015 concluiu-se que aqueles que seguem uma dieta vegana perderam mais peso em comparação com aqueles que seguiam dietas omnívoras ou vegetarianas.

2. É bom para o ambiente

A agricultura é uma das grandes atividades responsáveis pela emissão de gases responsáveis pelo efeito de estufa (mais até do que os transportes).

Plantar o alimento necessário para a produção animal requer mais terra, água e energia do que a produção de cereais, são gerados 27 kg de CO2 por cada kg de carne e 0.9 kg de CO2 por cada kg de lentilhas.

Segundo um estudo da Universidade de Oxford, estima-se que uma dieta baseada em vegetais pode salvar mais de 8 milhões de vidas até 2050.

3. Pode aumentar-lhe a esperança de vida

Se for uma dieta levada num período considerável de tempo e não apenas uns meses, claro.

Há uma vasta investigação científica sobre a relação entre dietas baseadas em plantas e a redução do risco de várias doenças como a diabetes e os problemas cardíacos com resultados muito positivos, mesmo considerando os fatores demográficos e o estilo de vida.

Um dieta vegana pode ainda reduzir os sintomas de artrites e ajudar a prevenir a obesidade, uma das mais preocupantes causas de morte a nível mundial.

E, segundo um estudo publicado no ano passado, uma adaptação massiva à dieta vegana poderia evitar 8.1 milhões de mortes por ano.

4. Comer vegetais faz bem

Não é novidade mas é sempre bom recordar que uma dieta à base de frutas e vegetais tem um bom potencial nutritivo. Os vegetais são ricos em vitaminas e minerais (incluindo cálcio, potássio e vitamina C) e em fibras. O que deverá fazer com que se sinta (e idealmente também pareça) muito melhor.

Mesmo que siga religiosamente a dieta das 5 porções de frutas e vegetais por dia pode não estar a comer verdes suficientes.

5. Melhora o odor corporal

Lembra-se de Elyse Brautigam? A jovem que segue uma dieta vegana e de comidas cruas e afirma não precisar de desodorizante?

Parece que a ciência confirma a sua teoria com um estudo de 2016 que pediu a várias mulheres que avaliassem o suor e odor corporal de homens com dietas baseadas em frutas e vegetais. Concluiu-se que as mulheres tendem a considerar mais atrativas as amostras de odores de dietas baseadas em frutas e vegetais do que as amostras de odores de dietas baseadas em hidratos de carbono. O suor dos veganos foi descrito como "floral e frutado".

6. Pode melhorar a sua performance sexual

As dietas baseadas no consumo de carne são, tipicamente, responsáveis por desacelerar a fluidez do sangue e pela sensação de enfartamento que reduz os níveis de energia. A organização ambientalista PETA chega mesmo a sugerir que ser vegano pode ajudá-lo a melhorar a performance sexual ao combater a obesidade, os diabetes e o cancro da próstata.

Os resultados de um estudo recente parecem ir ao encontro desta ideia ao sugerirem que os homens que combinam uma rotina desportiva regular com uma dieta de morangos, mirtilos e maçãs podem ver reduzido em 20% o risco de desenvolverem disfunção eréctil.