Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Alimentos que ajudam a reduzir o colesterol

Sociedade

Para combater o excesso de gordura no sangue, uma verdadeira epidemia dos tempos modernos, é preciso apostar em ingredientes que afinal já fazem parte da nossa dieta. Ou, pelo menos, deviam fazer

Leguminosas

Feijões, grão, lentilhas e ervilhas são ideais ajudar a baixar de forma natural os níveis de colesterol no sangue. Segundo dados de um estudo que o jornal espanhol El Confidencial publica, uma amostra de 1037 pessoas, com níveis normais ou altos de colesterol, ingeriram 130 gramas diárias de leguminosas, o que provocou a redução do mau colesterol em cinco porcento. Neste que é o Ano Internacional das Leguminosas, decretado pela ONU, estas conclusões não podiam vir mais a propósito. Ricas em proteínas vegetais e fibra, deve comer-se, por dia, uma ou duas doses de 25 gramas apenas. As fibras solúveis e insolúveis ajudam a baixar a absorção do colesterol no intestino delgado, enquanto aumentam as bactérias do intestino grosso que facilitam a sua expulsão. Como demoram algum tempo a serem digeridas, dão uma forte sensação de saciedade, fazendo com que se coma menos. Não é preciso comer feijoadas para se comer feijão, pode ser um ingrediente de sopas, saladas ou purés.

Esteróis vegetais e margarinas

Os fitoesteróis têm uma estrutura química muito parecida com a do colesterol bom, que ajuda as artérias a eliminar o colesterol mau, devolvendo-o ao fígado. Os esteróis vegetais são produtos concentrados que, normalmente, se encontram em algumas comidas como margarinas, pastas alimentícias ou leite. Um estudo revela que algumas gramas de esteróis vegetais por dia ajudam a reduzir o colesterol mau entre 8 e 10 porcento. A investigação teve a participação de 2 100 pessoas que encontrou uma maior redução de colesterol quando os esteróis se misturam com margarinas, pastas alimentícias ou azeite de colza. Os efeitos eram menos significativos quando combinados com azeite de girassol ou de soja.

Azeite

Ingrediente principal da dieta mediterrânica é rico em benefícios para a saúde. A culpa é da grande quantidade de gorduras monoinsaturadas que ajudam a melhorar a absorção dos nutrientes. Mas, infelizmente, mais de 80% dos componentes saudáveis do azeite (chamados compostos fenólicos) perdem-se durante o processo de refinamento, por isso o mais indicado é o azeite virgem extra. Uma investigação espanhola trabalhou com uma amostra de 7 400 homens e mulheres, em risco de sofrer doenças cardiovasculares, a quem propôs três dietas: uma dieta mediterrânica com azeite virgem extra, outra com um complemento de frutos secos e uma dieta baixa em gorduras. Depois de cinco anos de investigação, aqueles que tinham seguido a dieta com azeite virgem extra e frutos secos apresentaram 30% menos probabilidade de ter um ataque de coração do que aqueles que simplesmente seguiram a dieta baixa em gorduras.

Frutos Secos

Há muitos, mas de todos os frutos secos os melhores são as nozes. Um alimento que fornece ácido alfa linolénico, que o organismo transforma em ácidos gordos omega-3 e fitoesteróis, ambos reconhecidos pelo seu papel na redução do colesterol.

Um estudo do departamento de nutrição da Loma Linda University, concluiu que comer todos os dias 67 gramas de nozes consegue reduzir o total do colesterol no sangue em 5,1%, enquanto que o colesterol mau chegou a descer até 7,4 por cento. O único inconveniente destes alimentos é fornecerem muitas calorias, por isso se recomenda comê-los em pequenas quantidades, mas todos os dias.

Beringelas

Uma experiência recente realizada com animais comprovou que beber água de beringela é bom para a redução dos níveis de colesterol mau entre 4 e 7 porcento. Os fitoquímicos presentes nesta planta ajudam a melhorar a circulação do sangue. Mas atenção, não vale para se as comermos fritas, pois são acrescentadas gorduras alimentares saturadas.