Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O mentor de uma nova cera ecológica

Sociedade

  • 333

A preocupação de Romeu Cristóvão era divulgar desportos praticados ao ar livre. Para trás, deixou a área de design e multimédia

Rui Duarte Silva

O que faz agora um licenciado em Design e Multimédia? Oito anos depois de ter passado por várias multinacionais no Porto (onde trabalhou com software específico para saúde), por um dos maiores grupos de comunicação social do País (onde tratava de alguns sites), e por diversas agências de publicidade, Romeu Cristóvão, 33 anos, inventou a fórmula mágica da Eco Spotwax, uma cera ecológica para untar as pranchas. Em vez de parafina, um derivado do petróleo, usa cera de abelha, resinas extraídas do pinheiro e uma erva, essa sim, o verdadeiro segredo do sucesso. Foram oito meses de experiências caseiras, em Leiria, na base da tentativa e erro, até encontrar a receita certa com estes componentes naturais.

Adepto de desportos praticados ao ar livre, como surf, bodyboard ou BTT, Romeu Cristóvão sempre pensou que o seu futuro dependia só do seu carácter empreendedor. Há dois anos, começou por pensar no nome para a empresa e com facilidade chegou a Trendout, ou seja, tendência para o exterior. Online passou a vender além da Eco Spotwax, roupa “sportswear” para homem, mulher e criança, idealizada por si e feita em Portugal, e pranchas de paddle insufláveis, aptas para a água do mar e do rio, também projetadas pelo próprio e produzidas em Matosinhos. Romeu sabe que “o caminho de um empreendedor tem altos e baixos”, mas assegura que, neste momento, já consegue viver só das vendas online da Trendout. O seu principal cliente é português, tem entre 25 e 35 anos e mora nas regiões Centro e Sul. “Quero desenvolver melhores produtos, não só em termos ambientais”, conta. Em breve, vai lançar um produto para o qual já conseguiu a patente de design. Mas não revela mais do que isto: pode ser usado na água. O que será?

CONHEÇA O CASO DO RICARDO GONÇALVES, ORGANIZADOR DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE SURF, SAL

  • Da arquitetura para o S.A.L.

    Sociedade

    Por carolice, Ricardo Gonçalves trocou a estabilidade de um ateliê de arquitetura, pela organização do primeiro Festival Internacional de Cinema de Surf, em Portugal