Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Despidos na cidade do amor: Paris aprova parque para nudistas

Sociedade

  • 333

Já se imaginou assim, em pleno centro de Paris?

© Max Rossi / Reuters

Com mais de cem praias já disponíveis e campos de férias espalhadas por todo o país, França é já o destino preferido dos naturistas

Em França, há vários campos naturistas, como este: O Centro do Sol e Mar, em Montelivet, no sudoeste do país.

Em França, há vários campos naturistas, como este: O Centro do Sol e Mar, em Montelivet, no sudoeste do país.

© Regis Duvignau / Reuters

Há já uma piscina para naturistas na cidade mas os apoiantes da modalidade querem também poder andar ao ar livre – e foi assim que Paris, a capital do glamour e do amor, aprovou a criação de um espaço verde, seja parque ou jardim, onde nudistas possam conviver sem roupa e sem receio de serem multados por nudez em espaço público. A coima pode ascender a 15 mil euros e incluir ainda um ano de prisão.

"Teremos obviamente de encontrar o local ideal para não aborrecermos ninguém", comentou Bruno Julliard, o vice-presidente da autarquia, citado pelo Independent. Já Jacques Frimont, da Associação pela promoção da Liberdade e do Naturismo, Jacques Frimont, sublinhou que há muito ainda a fazer para mudar mentalidades: "Isto de associar naturismo a exibicionismo sexual tem de mudar. Um pervertido sexual é alguém que espia os vizinhos ou se masturba em público. Já os naturistas querem apenas livrar-se da roupa."

Depois da Alemanha, o movimento naturista ganha força em França, país que é hoje o principal destino dos adeptos da modalidade

Depois da Alemanha, o movimento naturista ganha força em França, país que é hoje o principal destino dos adeptos da modalidade

E a Alemanha é mesmo ali ao lado

A decisão não é propriamente nova no centro da Europa. Tanto Berlim, como a principal cidade da Baviera, Munique, dispõem há muito de espaços destinados a naturistas. Basta andar distraído pelo Tiergarten, o parque central da capital alemã – onde também coincidem o parlamento, embaixadas e outras instituições culturais – ou pelo Englisher Garten, no Sul, onde há outros cinco espaços dedicados aos adeptos do naturismo.

Este movimento da Cultura do Corpo Livre, conhecido como FKK, foi instituído na Alemanha nos idos de 1900, depois de se propagar em algumas praias do Báltico, zona mais liberal do que o resto dos estados alemães. Em 1913, havia já 50 associações, diluídas com a ascensão dos nazis ao poder. Mas durante os anos 60, a prática ganhou força no lado oriental, ampliada depois do Maio de 68. Em 1980, chegava ao parque de Munique, primeiro reprimida, depois oficializada. A Federação Alemã da FKK tem 45 mil membros, embora o presidente calcule que os praticantes em todo o país ultrapassem os sete milhões.