Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Hollywood já não é para ela. Como Gwyneth Paltrow se tornou musa do lifestyle na internet

Sociedade

  • 333

© Jonathan Alcorn / Reuters

De receitas culinárias a brinquedos sexuais, o site da atriz americana já conta com um milhão de seguidores e acaba de lançar uma linha de roupa exclusiva, baseada nas peças que mais resistem no seu guarda-roupa

Rui Antunes

Rui Antunes

Jornalista

Ela bebe batidos de 170 euros ao pequeno-almoço, ela sugere ténis de 352 euros para oferecer no dia da mãe, ela promove brinquedos sexuais de 13 mil euros. E agora lançou uma linha de roupa própria, baseada nas peças de vestuário que perduram no seu roupeiro, por falta de substitutas à altura. O blogue de Gwyneth Paltrow, vencedora em 1999 do Oscar de melhor atriz (A Paixão de Shakespeare), tornou-se um site de referência no segmento lifestyle, já com mais de um milhão de seguidores.

Longe vão os tempos em que uma newsletter semanal informava os leitores sobre os melhores vinhos de Barcelona ou o último grito nos óleos de banho, como no início, em 2008. O Goop é hoje uma marca em ascensão no 'mercado' do tudo-e-mais-alguma-coisa, de segredos de beleza a sugestões de livros e viagens, de parentalidade a espiritualidade, de receitas culinárias a cuidados de higiene com a vagina. Com a mais-valia de ter uma cara bonita e famosa de Hollywood no papel principal. Foi lá que, em 2014, a ex-namorada dos atores Brad Pitt e Ben Affleck anunciou a separação de Chris Martin, vocalista dos Coldplay e pai dos seus dois filhos.

A camisa de 174 euros que esgotou num dia

A camisa de 174 euros que esgotou num dia

goop.com

Afastada do grande ecrã, por opção própria, desde 2015 (O Excêntrico Mortdecai), Gwyneth Paltrow vê o seu negócio na internet caminhar a passos largos para uma dimensão 'hollywoodesca'. Neste agosto, três empresas investiram 10 milhões de dólares (quase 9 milhões de euros) para a criação de novos projetos no Goop, mas por agora a grande novidade é o lançamento da coleção de roupa, de edição limitada.

Com o slogan 'compre agora, use agora, guarde para sempre', a cada mês serão postas à venda cinco peças novas inspiradas no guarda-roupa da atriz americana, que as desenha com a ajuda de uma "pequena equipa de estilistas", de acordo com a marca. A produção é em Itália, nas fábricas preferidas de Paltrow, mas a roupa sai a "um terço do preço", anuncia ela. As de setembro estão desde esta segunda-feira à venda, com os preços a oscilarem entre os 620 euros de um blazer e os 174 de uma camisa, que já esgotou.

A marca cresceu tanto nos últimos tempos que Gwyneth sonha com o dia em que "ninguém se lembre" que foi dela o primeiro impulso. "Apesar de eu estar sólida nas trincheiras todos os dias, o Goop está no caminho para se tornar muito maior do que eu", afirmou esta semana no Linkedin, esclarecendo assim o mal entendido que se gerou depois de ter revelado que queria dissociar cada vez mais o seu nome da marca.

Aos 43 anos, Paltrow diz não saber como vai evoluir o negócio - "tanto posso vender como passá-lo aos meus filhos" -, mas garante que as decisões não serão tomadas com o mesmo espírito com que encarou a carreira no cinema: "Estive sempre a lutar com este puto punk e parvo dentro de mim que quer furar a tradição e fazer as coisas à sua maneira. Por vezes queimou-me, mas também me trouxe onde estou hoje." Fora do grande ecrã, focada no estilo de vida.