Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cientistas acreditam que, mais cedo do que pensávamos, vamos preferir fazer sexo com robôs

Sociedade

  • 333

Jeff J Mitchell / GettyImages

Segundo cientistas, os robôs sexuais vão ser melhores do que os humanos na cama e no ano de 2050 poderemos testemunhar casamentos entre humanos e máquinas

Cientistas dizem que, daqui a alguns anos, poderemos estar a fazer sexo com robôs. Especialistas citados na imprensa internacional desta quinta-feira afirmam que os robôs sexuais vão ser melhores que os humanos e há mesmo alguns que precisam uma data: Segundo eles, em 2050 poderemos ver a celebração de casamentos entre humanos e robôs. Com um crescente realismo a sua popularidade tem aumentado e há quem acredite piamente que as máquinas podem mesmo vir a substituir a companhia humana.

Em entrevista ao Daily Star, Joel Snell, especialista em robótica da Universidade de Kirkwood, no Iowa, Estados Unidos, afirmou que por causa da sua capacidade de serem programados, os robôs iriam "corresponder mais facilmente" às necessidades sexuais do seu proprietário do que um companheiro humano.

Acrescentou ainda que esta nova modalidade sexual iria ser "viciante", pois os robôs estariam sempre disponíveis e nunca negariam o seu parceiro. Snell finalizou dizendo que os robôs poderiam vir a ser melhores a fazer sexo que os humanos, pois tal como substituíram o homem em outras atividades, podem também superiorizar-se ao ser humano nas atividades sexuais.

A possibilidade já tinha sido avançada no ano de 2012 num estudo académico de Ian Yeoman e Michelle Mars, onde é discutida a possibilidade de, em 2050, o famoso Bairro da Luz Vermelha (Red Light District), em Amsterdão, ter acompanhantes robô livres de qualquer tipo de doenças sexualmente transmissíveis.

Em entrevista à Sky News, Kathleen Richardson, investigadora na áre da Ética na Robótica, na Universidade De Montfort em Leicester, avisou que o uso destes androides vai "aumentar o isolamento dos seres humanos".