Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Ministro Capoulas Santos diz não saber que há corridas de galgos em Portugal

Sociedade

Após uma reportagem da VISÃO que denunciava um universo opaco de treinos com choques elétricos, dopagem e um desgaste brutal, por trás das corridas de galgos que se realizam todos os fins de semana em pistas de Norte a Sul do País, o PAN dirigiu oito perguntas ao governante que tutela o bem-estar animal. Desse ministro, Capoulas Santos, só obteve uma resposta: "Não tem conhecimento da existência das corridas referidas"

Foi logo a 19 de maio último, quando a VISÃO publicou uma extensa reportagem que dava conta do crescimento do fenómeno das corridas de galgos de Norte a Sul do País, e do aumento das suspeitas de graves maus-tratos a esses cães, que o PAN dirigiu oito perguntas ao ministro Capoulas Santos, que tutela, através da Direção-Geral de Veterinária, o bem-estar animal e o registo de canídeos.

Além de referenciar mais de duas dezenas de pistas em todo o País nas quais se realizam corridas de galgos, o PAN queria ser esclarecido sobre a regulamentação legal e sanitária destes eventos. As respostas chegaram há dias ao Parlamento, com o assunto a morrer logo na primeira afirmação do ministro Capoulas Santos, que disse desconhecer a "existência de corridas de galgos" em Portugal. Quanto às restantes sete perguntas, o governante despachou-as com a menção de que estavam "prejudicadas pela resposta anterior".

Uma fonte do PAN disse à VISÃO que o seu partido "vai continuar a pressionar o ministro, mostrando-lhe os factos".

Mas a VISÃO interpelou Capoulas Santos, enviando-lhe um pedido de esclarecimento que sobretudo pretendia clarificar a aparente contradição entre a afirmação do ministro de que "não tem conhecimento da existência de corridas de galgos" no nosso país, e um apanhado de notícias publicadas na Imprensa e de reportagens transmitidas na TV sobre o assunto, de 2010 a 2016, que lhe mostrámos. Incluindo a matéria mencionada da VISÃO e alusões a um campeonato nacional. A geografia é alargada, de Famalicão à Maia, da Póvoa de Varzim a Castro Verde e a Cuba.

Em resposta, Capoulas Santos argumentou que o seu ministério "não tem quaisquer competências no controlo de corridas de qualquer tipo", sendo essa "uma função das autoridades policiais".