Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Já passou a fase de maior perigo de separação na sua relação?

Sociedade

  • 333

CHARLY TRIBALLEAU /Getty Images

Um sociólogo norte-americano analisou como mudam as probabilidades de separação à medida que o tempo passa

VEJA TAMBÉM:

- Quatro comportamentos que podem querer dizer 'divórcio à vista'

- 15 sinais de que o trabalho está a dar cabo do seu casamento

Com que frequência os casais de separam? E como muda a probabilidade um casal se separar ao longo do tempo? Foi para responder a estas e a muitas outras questões relacionadas que Michael Rosenfeld, um sociólogo de Stanford, deu início, em 2009, a um estudo que envolve mais de 3 mil pessoas - casais hetero e homossexuais, de papel passado ou não.

Da investigação resultaram já alguns padrões: O casamento, por exemplo, revelou-se um fator de união forte. Os pares casados legalmente mostraram menos probabilidade de se separarem do que os que estavam apenas "juntos"; No caso dos casais do mesmo sexo, a taxa de separação cai de 8% para 1% entre os estão juntos há cinco anos e os que já estão há 20. Para os heterossexuais, o mesmo período corresponde a uma queda de 3 para 1 por cento.

Os não casados, por outro lado, tanto hetero como homossexuais, registam taxas mais elevadas de separação, mesmo quando estão juntos há mais de 20 anos.

Fonte: Michael Rosenfeld, Universidade de Stanford

Fonte: Michael Rosenfeld, Universidade de Stanford

Outros dados do estudo de Rosenfeld:

- 60% dos não casados juntos há menos de dois meses durante a primeira fase do estudo já não estavam juntos um ano depois

- Quando a relação ultrapassa o primeiro ano, a probabilidade de separação cai drasticamente: Nos primeiros cinco anos, a taxa de separação cai cerca de 10% ao ano e continua a baixar ao longo dos 15 anos seguintes.

À medida que o estudo prossegue, novos dados deverão surgir. Para já, não há informação suficiente para casais do mesmo sexo casados há menos de cinco anos e há mais de 35.

Mas por muitas conclusões a que se chegue, o sociólogo sabe que isto das relações não é uma ciência exata. "Uma das coisas de aprendi ao entrevistar pessoas cara a cara sobre as suas histórias românticas é o quão complicadas as histórias podem ser".