Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Votar (aparentemente) sem escolta

Portugal

  • 333

José Sócrates, Ricardo Salgado, Armando Vara. Todos em prisão domiciliária, todos com direito a votar nas legislativas de domingo. E a escolta... aparentemente, apenas jornalística. VEJA AS FOTOS

José Sócrates
1 / 9

José Sócrates

José Sócrates
2 / 9

José Sócrates

José Sócrates
3 / 9

José Sócrates

Ricardo Salgado
4 / 9

Ricardo Salgado

Ricardo Salgado
5 / 9

Ricardo Salgado

Ricardo Salgado
6 / 9

Ricardo Salgado

Armando Vara
7 / 9

Armando Vara

Armando Vara
8 / 9

Armando Vara

Armando Vara
9 / 9

Armando Vara

Detido em novembro do ano passado por suspeita de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, José Sócrates pôs este domingo, pela primeira vez, o pé na rua, desde que passou para prisão domiciliária, depois de nove meses preso na cadeia de Évora.

Outro dos presos mediáticos a votar nas eleições legislativas foi o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e ex-ministro socialista Armando Vara, detido no âmbito da "Operação Marquês", por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva.

Também o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, em prisão domiciliária desde o passado dia 24 de julho, saiu para votar.

O acesso à mesa de voto aos detidos em prisão domiciliária foi determinado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) em 2013.

"Aos cidadãos eleitores detidos em regime de prisão domiciliária não é aplicável o regime especial de votação previsto para os internados em estabelecimento prisional. A estes cidadãos deve ser facultado o acesso à assembleia de voto", lê-se na deliberação tomada a 19 de Setembro de 2013 pela Comissão Nacional de Eleições e divulgada em setembro pelo organismo, em comunicado.