Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"Uma das maiores greves gerais de sempre"

Portugal

  • 333

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu que a greve geral de hoje resulta do combate dos trabalhadores contra "o medo e a resignação". VEJA AS FOTOS da greve em Portugal

Benfica 0 - 2 Barcelona
1 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
2 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
3 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
4 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
5 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Benfica 0 - 2 Barcelona
6 / 18

Benfica 0 - 2 Barcelona

Galatasaray 0 - 2 Braga
7 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
8 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
9 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
10 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
11 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
12 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
13 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
14 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
15 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
16 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
17 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

Galatasaray 0 - 2 Braga
18 / 18

Galatasaray 0 - 2 Braga

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu que a greve geral de hoje "é uma das maiores de sempre", considerando que resulta do combate dos trabalhadores contra "o medo e a resignação".

"Esta é uma das maiores greves gerais de sempre", afirmou o secretário-geral da CGTP-IN, a central sindical que convocou a paralisação para o dia de hoje.

Na intervenção junto à Assembleia da República, o dirigente sindical disse que "os trabalhadores estão a combater o medo e a resignação", realçando que "é preciso unir esforços".

Milhares de pessoas encheram a praça frente à Assembleia da República na confluência de várias manifestações convocadas para assinalar a greve geral, entre os quais cidadãos gregos e espanhóis.

Precários, estivadores, revisores e vários estrangeiros ouviram o discurso do secretário-geral da CGTP Arménio Carlos, entre os quais Kyriakos Stephanopoulos que, de bandeira grega na mão, afirmou à agência Lusa que na Grécia "dizem que os portugueses são muito passivos, porque isso acontece aos povos que viveram em ditadura".

Mas este economista acredita que, tal como na Grécia, "as pessoas vão sofrer tanto que se vão levantar", acrescentando que embora um turista possa vir a Portugal e não sentir que há crise, quem passa algum tempo no país percebe que "as pessoas estão a sofrer".