Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Tudo a postos para Merkel

Portugal

  • 333

Associated Press

Polícias portugueses e alemães estão a fazer tudo para garantir a segurança da chanceler, que vem a Portugal no próximo dia 12

A vinda a Portugal de Angela Merkel, no dia 12 de novembro, vai exigir das autoridades uma redobrada atenção no que respeita a medidas de segurança. Elementos pertencentes ao corpo de segurança pessoal da chanceler alemã estão preparar a visita com a PSP, analisando, entre outros aspetos, os trajetos e as principais ameaças. Estes grupos de trabalho estão preparados para definir trajetos alternativos, planos de fuga em caso de emergência e todo o protocolo das equipas de segurança. 

Habitualmente, Angela Merkel viaja acompanhada por um elevado número de polícias alemães, e serão essas forças a garantir a segurança no perímetro mais apertado (primeiro anel de proteção). Mas toda a operação envolverá agentes do corpo de segurança pessoal da PSP, das Equipas de Intervenção Rápida, do corpo de Intervenção e do grupo cinotécnico. É provável que alguns edifícios visitados por Merkel sejam previamente vistoriados pela brigada de minas e armadilhas. Ao mesmo tempo, a PSP prevê a colocação de mais agentes de prevenção durante esses dias.

Por outro lado, tanto o SIS, como a PJ e a PSP continuam a acompanhar com muita atenção o que se passa na Internet, principalmente nas redes sociais. Fonte policial dá conta da existência de vários "agitadores ligados a grupos mais radicais", que estarão a tentar mobilizar as pessoas para a rua. 

No dia 6 de novembro, seis dias antes da visita de Merkel, realiza-se uma manifestação de polícias. Para o dia 10 está prevista uma concentração de militares. A 14 de novembro decorre a greve geral convocada pela CGTP. E, para o próprio dia da visita da chanceler, a mesma CGTP convocou uma manifestação, a que já se juntaram os promotores da "manif" de 15 de setembro, e que visa "receber" a líder alemã. Na Grécia, foram destacados 7 mil polícias, para a recente visita de Merkel.