Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Seguro quer IRC em 12,5% para os primeiros 12500 euros de lucro

Portugal

  • 333

Seguro defendeu também um alívio fiscal para a restauração ao nível do IVA, um regime mais adequado para o reinvestimento de lucros por parte das empresas e a possibilidade de empresários poderem recorrer à banca pública

O secretário-geral do PS insistiu hoje na sua proposta de baixar o IRC para 12,5 por cento nos primeiros 12500 euros de lucro, num discurso em que defendeu o apoio às empresas como uma das soluções para Portugal sair da crise.

António José Seguro falava perante centenas de pessoas num comício de apoio à candidatura do médico socialista Diogo Cabrita à presidência da Câmara de Valença.

Numa intervenção em que voltou a criticar o caminho de austeridade seguido pelo Governo, sobretudo em matéria de cortes das pensões da Caixa Geral de Aposentações, Seguro deixou uma mensagem "de esperança lúcida" no futuro do país.

O líder socialista considerou fundamental a ação do Estado social "num momento de crise como o actual" e apontou como aposta o crescimento económico, tendo em vista a criação de emprego.

Estando para hoje previsto o fim do período de discussão pública da reforma do IRC, o secretário-geral do PS salientou a sua proposta para permitir taxar menos os primeiros 12.500 euros de lucros, alegando que essa medida auxiliará muitas pequenas e médias empresas. 

Seguro defendeu também um alívio fiscal para a restauração ao nível do IVA, um regime mais adequado para o reinvestimento de lucros por parte das empresas e a possibilidade de empresários poderem recorrer à banca pública para receberem créditos que têm junto de instituições estatais.