Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

PSD quer comprometer o CDS

Portugal

  • 333

O comunicado da Comissão Política do PSD explica que o encontro terá o intuito de "obter a indispensável manifestação de apoio ao acordo político de coligação". E acusa o PS de ter assumido uma "deriva de radicalismo"

A Comissão Politica Nacional do PSD decidiu hoje convidar o CDS-PP para uma reunião conjunta das direções partidárias, a realizar-se o mais brevemente possível, para "obter a indispensável manifestação de apoio ao acordo político de coligação".

"A Comissão Política Nacional do PSD deliberou convidar o CDS para uma reunião conjunta das direções partidárias, a ter lugar com a maior brevidade possível, com o intuito de obter a indispensável manifestação de apoio ao acordo político de coligação celebrado em 16 de junho de 2011, assim como às decisões e estratégia do Governo em matéria de consolidação orçamental e ajustamento estrutural, visando uma trajetória de crescimento sustentável", referem os social-democratas num comunicado distribuído à comunicação social.

O PSD quer " clarificar a relação entre os partidos da coligação, afectada por aquelas decisões de órgãos internos do CDS, de modo a assegurar a estabilidade política" e assume terem existido "divergências" com o CDS. Mas considera "importante evitar a deterioração da relação entre os partidos e proteger o país de qualquer crise política". 

Ataque ao PS 

No mesmo comunicado, a Comissão Política Nacional do PSD acusou o PS de ter assumido uma "deriva de radicalismo político" e de "fugir às suas responsabilidades" ao anunciar o voto contra o Orçamento do Estado para 2013.

A Comissão Política Nacional do PSD manifesta "preocupação relativamente à deriva de radicalismo político assumida pelo PS numa matéria tão relevante como o Orçamento do Estado para 2013".

O PSD considera ainda que "o PS denota uma vontade de fugir às suas responsabilidades, quer na origem do pedido de resgate financeiro, quer no cumprimento do programa que negociou e subscreveu em nome do Estado".