Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Primárias no PS marcadas para 28 de setembro

Portugal

A proposta de Seguro foi aprovada com seis votos contra e duas abstenções. António Costa acha que é tarde e preferia ir para diretas para escolher novo líder e para congresso extraordinário

A proposta do secretário-geral do PS para a realização de eleições primárias obteve hoje apenas seis votos contra e duas abstenções, fixando a data de 28 de setembro para a realização deste ato eleitoral aberto a simpatizantes.

O resultado da votação da proposta apresentada por António José Seguro na reunião da Comissão Política Nacional do PS foi transmitido à agência Lusa por fonte oficial da direção dos socialistas.

Na abertura da reunião, Seguro apresentou duas datas possíveis, 28 de setembro ou 5 de outubro, tendo ido a votos apenas a primeira das duas.

Costa defende congresso

O dirigente socialista António Costa afirmou hoje concordar com o princípio de eleições primárias abertas a simpatizantes, mas adiantou que manterá a sua proposta para a realização de "diretas" para a liderança do partido e congresso extraordinário.

António Costa falava aos jornalistas no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, após ter sido aprovada por larga maioria a proposta do líder, António José Seguro, para a realização a 28 de setembro de eleições primárias, tendo em vista a escolha do candidato socialista a primeiro-ministro.

O presidente da Câmara de Lisboa manifestou-se em desacordo com a data de 28 de setembro, considerando-a tardia, mas concordou com o princípio de realização de eleições primárias, classificando como importante o facto de o seu partido se preparar para "dar a voz aos simpatizantes", para além dos militantes.

Nas férias seria fraude

O secretário-geral do PS salientou hoje que a sua proposta de eleições primárias foi aprovada por "esmagadora" maioria e rejeitou críticas à data de 28 de setembro, considerando que seria "fraude" realizar o ato eleitoral nas férias.

António José Seguro falava aos jornalistas no final da reunião Comissão Política Nacional do PS, que aprovou apenas com seis votos contra a realização de eleições primárias para a escolha do candidato socialista ao cargo de primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, António José Seguro frisou que a proposta de primárias "obteve esmagadora maioria, o que constitui um momento muito importante" na vida do seu partido.