Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O secretário de Estado que ateou a "guerra" entre o PS e o Bloco

Portugal

joana amaral dias

José Carlos Carvalho

Como nasceu o convite a Joana Amaral Dias, e como chegámos a esta "guerra de fronteiras" entre o PS e o BE. Saiba tudo na VISÃO desta semana

Paulo Pena TEXTO José Carlos Carvalho e Luís Barra FOTOS

São precisos dois para que haja um convite. Joana Amaral Dias foi convidada, entre outras coisas, para ser a número dois da lista do PS por Coimbra. O que não se sabia é que o convite partira de um governante socialista: Paulo Campos, secretário de Estado Adjunto, das Obras Públicas e Comunicações.

Na altura em que foi feito o convite à militante bloquista, Paulo Campos, 43 anos, disse ter "carta branca" do secretário-geral, José Sócrates, para escolher um nome para o acompanhar nos três primeiros lugares da lista por Coimbra. E foi nesse pressuposto que decidiu, primeiro, sondar a sua amiga bloquista.

A primeira "sondagem", no início da semana passada, foi feita por um amigo comum e revelou que a ex-mandatária para a Juventude da última candidatura presidencial de Mário Soares estava disposta a ouvir o governante socialista. O encontro final ocorreu na passada sexta-feira, presencialmente e, aí, Paulo Campos reafirmou que gostaria de contar com a ex-deputada do BE na sua lista. Joana Amaral Dias pediu, então, umas horas para reflectir.

Ter-se-á aconselhado com alguns amigos, entre os quais Mário Soares, histórico líder socialista e, passadas duas horas, no final da tarde de sexta-feira, 24, comunicou a Paulo Campos que não aceitaria o convite.

Pouco tempo depois, a estação televisiva TVI avançava, no noticiário das oito horas da noite, que Joana Amaral Dias recusara integrar as listas do PS e que teria sido, também, convidada para um cargo no Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) e para um lugar num possível futuro Governo socialista, em troca do seu apoio a José Sócrates.

Nessa mesma noite, a comissão nacional dos socialistas aprovaria a versão definitiva das candidaturas. E Coimbra seria uma das poucas dores de cabeça...

Confrontado com a recusa da sua amiga, Paulo Campos terá optado por se excluir das listas, engrossando o lote dos governantes que não vão a votos nas legislativas de Setembro (ver caixa). A imprensa do fim-de-semana noticiou que José Sócrates insistiu na permanência do seu secretário de Estado no terceiro lugar em Coimbra (atrás da ministra da Saúde, Ana Jorge, e do líder federativo da região, Vítor Baptista), mas Paulo Campos preferiu ficar de fora.

(Ler notícia completa na edição da VISÃO, quinta-feira, 30, nas bancas)

 

>> QUEM É O AUTOR DO CONVITE

 

Paulo Jorge de Oliveira Campos - 43 anos

  • Secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas Transportes e Comunicações
  • Nasceu em Coimbra, onde viveu até entrar para a faculdade
  • Estudou Economia na Universidade Nova de Lisboa
  • Foi presidente da Associação Académica de Lisboa
  • É militante do PS desde os 16 anos
  • É sócio da Académica de Coimbra e do Benfica
  • Gosta de passar música nos tempos livres (nome de código: DJ Fields)