Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Joaquim Pais Jorge apresenta demissão

Portugal

  • 333

Horas depois de o Governo emitir um comunicado a defender que o documento que implica o secretário de Estado do Tesouro nos contratos 'swap' foi manipulado, Joaquim Pais Jorge apresentou a demissão por não "permitir" que a polémica possa ser usada como "arma de arremesso" contra o Governo

SWAPS: As datas e as horas das três reuniões que Pais Jorge negou

O secretário de Estado do Tesouro, Joaquim Pais Jorge, apresentou hoje a demissão do cargo, na sequência da polémica que envolve o caso 'swaps', de acordo com um comunicado do ministério das Finanças.

A VISÃO noticiou na passada quinta-feira que o Citigroup propôs em 2005 'swaps' a Portugal para baixar artificialmente o défice, estando o actual secretário de Estado do Tesouro e o dono da consultora StormHarbour entre os responsáveis pela proposta.

Na sexta-feira, Joaquim Pais Jorge, recusou responsabilidades na tentativa de venda pelo Citigroup ao Estado de 'swaps' para baixar artificialmente o défice, e disse não se lembrar se esteve na apresentação da proposta.

Ontem, terça-feira, a VISÃO avançou em primeira mão as datas dos encontros em São Bento e a proposta de três contratos swap, a 30 anos. Ao final da manhã, o secretário de Estado adjunto do ministro-adjunto, Pedro Lomba, admitia a existência de "inconsistências problemáticas" que o Governo ia "averiguar", prometendo esclarecimentos até ao final do dia. Era meia-noite quando o Governo enviou um comunicado para algumas redações defendendo que o documento que implica o secretário de Estado do Tesouro nos contratos 'swap' foi manipulado.

As razões de Joaquim Pais Jorge

Em comunicado, o secretário de Estado diz que foi o baixo nível político que o levou a tomar a decisão. "As notícias vindas a público nos últimos dias, em que uma apresentação com mais de oito anos foi falseada para que incluísse o meu nome, revelam um nível de actuação política que considero intolerável. A minha disponibilidade para servir o país sempre foi total. Não tenho, no entanto, grande tolerância para a baixeza que foi evidenciada."

"Tomei esta difícil decisão porque nunca permitirei que controvérsias criadas sobre o meu percurso profissional, que não escondi, possam ser usadas como arma de arremesso político contra o Governo", lê-se ainda no comunicado.