Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Imagens que faltam à fotobiografia de Cunhal

Portugal

  • 333

Os dissidentes não couberam na obra monumental do PCP para homenagear o seu líder histórico. No nosso arquivo, encontrámos algumas das fotos que faltam. VEJA A GALERIA

O histórico - Carlos Brito (à direita) é a ausência mais notada. Depois de 50 anos de militância (oito dos quais nas prisões da PIDE) foi suspenso do partido, em 2002, na sequência de um processo. Brito foi líder parlamentar durante 15 anos (de 1976 a 1991)
1 / 6

O histórico - Carlos Brito (à direita) é a ausência mais notada. Depois de 50 anos de militância (oito dos quais nas prisões da PIDE) foi suspenso do partido, em 2002, na sequência de um processo. Brito foi líder parlamentar durante 15 anos (de 1976 a 1991)

A controleira - Em 1988, depois de 22 anos de militância, Zita Seabra criticou as orientações do partido e foi expulsa. Tinha 16 anos quando aderiu à União de Estudantes Comunistas, onde, foi «controleira». Deputada entre 80 e 87, destacou-se com a apresentação de legislação sobre o aborto e chegou à Comissão Política
2 / 6

A controleira - Em 1988, depois de 22 anos de militância, Zita Seabra criticou as orientações do partido e foi expulsa. Tinha 16 anos quando aderiu à União de Estudantes Comunistas, onde, foi «controleira». Deputada entre 80 e 87, destacou-se com a apresentação de legislação sobre o aborto e chegou à Comissão Política

O 'Cunhal dos pequeninos' - Joaquim Pina Moura filiou-se em 1972, aos 19 anos. Na clandestinidade, liderou a juventude do partido e adotou o nome de código «Duarte» (o mesmo que o então líder comunista usara) e, por isso, chamaram-lhe «Cunhal dos pequeninos». Era visto como um dos delfins. Abandonou o PCP em 1991
3 / 6

O 'Cunhal dos pequeninos' - Joaquim Pina Moura filiou-se em 1972, aos 19 anos. Na clandestinidade, liderou a juventude do partido e adotou o nome de código «Duarte» (o mesmo que o então líder comunista usara) e, por isso, chamaram-lhe «Cunhal dos pequeninos». Era visto como um dos delfins. Abandonou o PCP em 1991

Os fundadores da democracia - Freitas do Amaral (CDS), Sá Carneiro (PSD), Mário Soares (PS) e Álvaro Cunhal (PCP) juntos. Foi do conflito político, da discussão e da cooperação entre estes quatro estadistas que brotou a Terceira República
4 / 6

Os fundadores da democracia - Freitas do Amaral (CDS), Sá Carneiro (PSD), Mário Soares (PS) e Álvaro Cunhal (PCP) juntos. Foi do conflito político, da discussão e da cooperação entre estes quatro estadistas que brotou a Terceira República

No Kremlin - As visitas de Cunhal a Moscovo e outros países do chamado bloco comunista são realçadas na Fotobiografia. Cunhal aparece com vários líderes comunistas,. mas não com Mikhail Gorbachov, o pai da perestroika e do glasnost a que o PCP tanto resistiu
5 / 6

No Kremlin - As visitas de Cunhal a Moscovo e outros países do chamado bloco comunista são realçadas na Fotobiografia. Cunhal aparece com vários líderes comunistas,. mas não com Mikhail Gorbachov, o pai da perestroika e do glasnost a que o PCP tanto resistiu

Sindicalista desavindo - O livro esforça-se por mostrar Cunhal muito ligado às massas trabalhadoras e empenhado nas lutas da classe operária. Por isso, é estranha a ausência de uma imagem sua com Manuel Carvalho da Silva, o militante comunista que dirigiu a CGTP, uma central sindical próxima do PCP, durante três décadas
6 / 6

Sindicalista desavindo - O livro esforça-se por mostrar Cunhal muito ligado às massas trabalhadoras e empenhado nas lutas da classe operária. Por isso, é estranha a ausência de uma imagem sua com Manuel Carvalho da Silva, o militante comunista que dirigiu a CGTP, uma central sindical próxima do PCP, durante três décadas

A Fotobiografia de Álvaro Cunhal (Edições Avante!) é uma obra coletiva grande, em formato e conteúdo. Mas é também um trabalho manifestamente incompleto.

Recém-lançada, já suscitou polémica nas redes sociais e na imprensa. Joaquim Vieira, o biógrafo de Mário Soares, que prepara um livro sobre Cunhal, acusou o PCP de ter reenquadrado uma imagem do regresso, em 1974, do líder comunista a Portugal. E tê-lo-á feito de maneira a não mostrar Soares que estava presente, praticamente ao lado dele.

Reenquadramentos à parte, no livro faltam referências óbvias. Adversários políticos aparecem secundarizados, quando aparecem; e é como se antigos dirigentes comunistas que romperam com o partido nunca tivessem existido.

No nosso arquivo, encontrámos algumas imagens que não teriam destoado numa fotobiografia de Álvaro Cunhal.